Gravidez e filhos

Discussão sim, briga não: como lidar com conflitos na frente das crianças

Getty Images
Brigas fazem a criança sentir que tem de tomar partido do pai ou da mãe imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

 

Atritos são comuns e normais nos relacionamentos e não é o fato de o casal ter um filho que fará com que eles desapareçam. Ver os pais discordarem de algo não impactará negativamente o desenvolvimento da criança, mas brigas intensas sim.

Você discute com seu par na frente do filho de vocês?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

"As brigas são desestruturadoras para as crianças, pois elas sentem que precisam tomar partido de alguém e ficam amedrontadas, pensando que os pais podem se separar ou se agredir", afirma a psicóloga Ceres de Araújo, especialista em distúrbios da comunicação humana e professora da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo.

Como os pais são a primeira referência dos filhos, o comportamento agressivo e conflituoso pode se tornar um modelo a ser replicado pela criança. "É importante ser exemplo de autocontrole. Criança não tem essa habilidade, vai desenvolver com o tempo e com a educação. Se os adultos dizem que ela não pode xingar, brigar, bater, e eles mesmos quebram essas regras, ela não aprende", diz a educadora Lívia Maria da Silva, doutora em educação pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

A psicóloga e psicopedagoga Nívea Fabricio conta que viu essa situação acontecer muitas vezes durante os 40 anos em que atende famílias em consultório e escolas. "Quando recebo uma criança mais afeita a conflitos, olho para os pais e vejo que eles passam esse modelo. Da mesma forma, um lar harmonioso forma indivíduos harmoniosos", conta ela, que também é terapeuta familiar e diretora do colégio Graphein, em São Paulo.

Você discute com seu par na frente do filho de vocês?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Aconteceu. O que fazer?

Se você perder o controle e entrar em um embate mais acalorado na presença dos filhos, retome a calma assim que possível e só continue a discussão quando estiver em um lugar reservado. Um deslize não causa danos graves, só não pode virar rotina. "Não precisamos ser perfeitos, mas, sim, perceber as nossas confusões e aprender com a experiência. Eu me exaltei? Impactei meu filho? Na próxima vez, vou contar até dez, dar uma volta, respirar e seguir em frente", fala a psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano, que atende famílias em São Paulo.

Depois que os ânimos voltarem ao normal, os pais devem, juntos, conversar com o filho para explicar o que aconteceu, pedir desculpas e dizer que agora está tudo bem. "É preciso dar uma perspectiva de final feliz, para não deixar a criança preocupada e ansiosa", diz Ceres de Araújo.

A recomendação vale para qualquer idade, porque os bebês também sentem o clima ruim. "É preciso verbalizar para o bebê, de maneira simples e direta, já que ele ainda não entende do ponto de vista cognitivo, mas sente a carga afetiva", afirma Livia Maria da Silva. Para a criança até três anos, o mais importante é mostrar a reconciliação na prática, ou seja, chegar perto dela dando abraços e beijos no parceiro.

Discussões civilizadas são bem-vindas

Os únicos assuntos proibidos em qualquer circunstância são questões que envolvam a educação da criança e a intimidade do casal. Todos os outros temas podem e devem ser abordados na frente dos filhos, até para mostrar que é normal discordar e que é possível chegar a um acordo amigável. "Não é bom ficar escondendo os problemas da criança, porque ela percebe. Essa coisa velada, do não dito, pode dar a entender que ela não tem o direito de colocar seus sentimentos e dúvidas", diz Ana Cássia.

A discussão saudável mostra que existem diferentes pontos de vista, estimula o poder de argumentação e o diálogo, ajuda a identificar e expressar emoções diante de situações difíceis e a criar estratégias para lidar com os problemas. "É bom que os filhos vejam que discussão não é sinônimo de briga e que os pais não precisam pensar o mesmo sobre um assunto, desde que consigam avaliar a questão e chegar a uma solução comum. Esse exercício é muito útil para a formação da criança", declara Ceres de Araújo.

Topo