Gravidez e filhos

Exercitar-se na gravidez pode levar o filho a gostar de atividade física

Getty Images
Estudo sugere que DNA do feto pode ser afetado pelos movimentos da mãe imagem: Getty Images

Gretchen Reynolds

The New York Times

Ratinhos nascidos de mães que corriam durante a gravidez se transformam em cobaias que adoram correr quando chegam à idade adulta, de acordo com um novo experimento, ao passo que os filhotes de mães sedentárias têm uma atitude menos entusiasmada em relação aos exercícios físicos.

Embora exista um mundo de diferenças entre ratos e pessoas, as descobertas do novo estudo indicam a possibilidade de que, até certo grau, nossa vontade de nos exercitar possa ser influenciada pelos hábitos de nossas mães durante a gravidez e que isso pode se revelar desde o útero.

A maioria das pessoas já deve ter percebido que as famílias têm hábitos de exercício similares, uma situação que foi confirmada em estudos envolvendo pessoas e animais. Filhos de pais sedentários geralmente são inativos, ao passo que os pais que são fisicamente ativos geralmente têm filhos que se movem mais e fazem mais exercícios.

Logicamente, o ambiente familiar influencia os níveis de atividade; as crianças aprendem com os pais e os imitam.

Contudo, pesquisas recentes sugerem que existem outras influências biológicas mais profundas em jogo, incluindo a genética. Uma série de estudos identificou diversos trechos de DNA que, quando presentes, predispõem a pessoa a ser ativa, ao passo que outras variações genéticas podem levar a pessoa a preferir ficar parada.

Contudo, os cientistas também começaram a se preocupar com o papel de um processo conhecido como programação desenvolvimental. De acordo com essa teoria, o corpo do feto e até mesmo seu DNA podem ser afetados pelo ambiente do útero e pelos primeiros momentos de vida. Essas mudanças, por sua vez, podem influenciar a saúde e o risco de certas doenças.

Ratos nascidos de mães que ficaram obesas e com o metabolismo doente durante a gravidez, por exemplo, têm mais chances de ter sobrepeso e diabetes quando ficarem adultos, se comparados a ratos geneticamente idênticos de mães que mantiveram o peso normal durante a gravidez.

Contudo, ainda é difícil determinar até que ponto a programação desenvolvimental pode afetar o desejo de praticar atividades físicas.

Por isso, no novo estudo, que foi publicado neste mês pela revista científica “FASEB Journal”, os pesquisadores do Baylor College of Medicine e da Rice University, em Houston, reuniram fêmeas de rato geneticamente idênticas, colocando-as em seguida em gaiolas com rodas de exercício.

Ratos gostam de correr, e a maioria desses animais correu cerca de 9,7 quilômetros por dia. Depois de uma semana com as rodinhas, as fêmeas foram colocadas com machos da mesma linhagem genética. Elas ficaram prenhes em seguida.

Neste momento, metade das fêmeas grávidas perdeu o acesso às rodinhas e não pode correr livremente durante a gravidez.

As outras continuaram a correr à vontade durante a gravidez e todas mantiveram a atividade, embora as distâncias percorridas e a velocidade tenham diminuído com o crescimento dos fetos.

Depois que os filhotes cresceram e desmamaram, eles foram colocados nas próprias gaiolas, sem rodinhas de exercício à disposição. As gaiolas ficavam em uma área separada das dos ratos adultos, de forma que os jovens não acompanhariam a rotina de exercícios das mães nem tentariam imitá-las.

Contudo, em diversos momentos de suas vidas, essa segunda geração de ratos passou vários dias em gaiolas com as rodas à disposição, equipadas com monitores que acompanhavam quanto os animais andavam fora das rodas.

Durante a infância dos filhotes, os cientistas perceberam poucas diferenças comportamentais entre os ratos jovens. Porém, quando os animais chegaram à adolescência, os nascidos de mães ativas começaram a correr mais, percorrendo mais quilômetros nas rodinhas do que os outros ratos e se movimentando com maior frequência nas gaiolas, nos momentos em que não estavam correndo.

Essas diferenças aumentaram à medida que os ratos envelheciam, o que significa que, quando chegavam à meia-idade, os filhotes de mães corredoras corriam e se moviam muito mais ao longo do dia do que os outros ratos, embora todos fossem geneticamente iguais e tivessem a mesma criação.

A implicação mais óbvia desses resultados é a de que “a atividade física da mãe durante a gravidez provavelmente afeta a atividade física dos filhotes”, afirmou Robert Waterland, professor de pediatria e genética da Baylor, além de líder do estudo ao lado dos colegas Jesse Eclarinal e Shaoyu Zhu.

Em resumo, os filhotes de ratas ativas nasceram para correr.

Mas é claro que os ratos não são pessoas e esse estudo não é capaz de nos dizer se uma programação similar pode ocorrer em nossos bebês se formos ativas durante a gravidez.

O estudo também não foi capaz de explicar de que forma a prática de atividades físicas durante a gravidez é capaz de afetar o desenvolvimento do desejo de se exercitar no futuro. De acordo com Waterland, pode ser que os movimentos físicos da mãe mexessem o útero de uma maneira que afetava o desenvolvimento cerebral em áreas dedicadas ao controle motor e ao comportamento ou então que determinadas substâncias bioquímicas produzidas pela mãe durante os exercícios atravessassem a placenta, afetando a fisiologia do bebê e as atividades genéticas durante toda a vida.

Ele e seus colegas esperam estudar esses pontos em pesquisas futuras.

Mas, segundo Waterland, por enquanto, o importante é que nenhuma mãe interprete esses resultados como uma crítica, caso ela não se exercite muito durante a gravidez. Qualquer pessoa que já carregou um filho na barriga sabe como a experiência pode ser exaustiva.

Porém, segundo ele, se uma mulher grávida for capaz de caminhar, correr, nadar ou praticar outra atividade física –com a permissão do médico–, ela pode melhorar a própria saúde e também ajudar a incutir no bebê a paixão pelos exercícios.

Topo