Adolescência

Adolescentes seriam magros se Katy Perry fizesse propaganda de quinoa?

AP
Celebridades deveriam usar influência para promover alimentos saudáveis imagem: AP

Lindsey Tanner

Da AP

Os adolescentes seriam mais magros se a cantora Katy Perry fizesse um anúncio de couve e quinoa? Um novo estudo, publicado na revista científica “Pediatrics”, não comprova essa relação de influência, no entanto, os autores dizem acreditar que as estrelas musicais mais queridas entre os jovens podem contribuir com a epidemia da obesidade nessa faixa etária. Tudo porque eles endossam o consumo de fast food, lanches calóricos e refrigerantes por meio dos anúncios publicitários.

O estudo comprovou que 20 celebridades queridas pelos adolescentes já fizeram comerciais e outros tipos de publicidade —como shows patrocinados-- para marcas que vendem produtos pouco saudáveis.

Os pesquisadores selecionaram cantores que se apresentaram no prêmio "Teen Choice Award" e entraram nas paradas da revista "Billboard" entre 2013 e 2014. Algumas das associações elencadas no estudo foram o show de Katy Perry patrocinado pela Pepsi, a parceria musical entre Justin Timberlake e o Mc Donald’s, além de anúncios do cantor will.i.am para a Coca-Cola.

Das 107 comidas e bebidas analisadas, Marie Bragg, principal autora do estudo e pesquisadora da Universidade de Nova York, encontrou apenas um produto saudável: pistaches. A marca fez uma propaganda com o astro coreano Psy, estrela do hit "Gangam Style".

Cerca de 80% dos anúncios com celebridades eram de produtos muito calóricos, dentre os quais batatas chips e chocolates, além de grandes redes de fast-food, como Mc Donald’s. A maioria dos anúncios de bebidas com os astros também era de refrigerantes com açúcar na composição.

Como a publicidade pode influenciar o comportamento, pesquisadores dizem que esse “apoio” dos famosos contribui para o aumento da obesidade entre os adolescentes. Segundo estatísticas do governo americano, 20% dos jovens são obesos ou estão acima do peso.

“As celebridades deveriam utilizar sua influência para promover mensagens mais saudáveis”, afirma a pesquisadora.

Bragg reconhece que é impossível esperar que os adolescentes apenas comam alimentos saudáveis ou pedir que as celebridades só anunciem esse tipo de produtos. No entanto, ela recomenda “moderação” e “melhor balanço” entre esses anúncios.

Topo