Gestação

15 cuidados que fazem a cesárea ser mais respeitosa para mãe e filho

Getty Images
Entregar o bebê para a mulher depois de retirá-lo do ventre é um dos cuidados que tornam a cesárea mais respeitosa imagem: Getty Images

Beatriz Vichessi

Colaboração para o UOL

Mesmo em um momento em que o parto normal é cada vez mais propagado e defendido pela comunidade médica e em geral, em alguns casos, a cesárea é necessária para garantir a saúde de mãe e filho.

Apesar de ter protocolos a seguir por ser uma cirurgia, alguns cuidados garantem que esse tipo de parto seja respeitoso e acolhedor para todos.

Conheça os principais deles a seguir.

1 – Em vez de agendar a cesárea, permitir que a gestante entre em trabalho de parto. Assim, fica claro que o bebê está pronto para nascer.

2 - Conversar com a gestante e com quem a acompanha, explicando claramente porque a cesárea terá de ser realizada, e contar, ainda que brevemente, como serão os próximos passos. O procedimento ajuda a tranquilizar a família.

3 - Se a gestante tiver um plano de parto contando o que desejaria que acontecesse no parto normal, na medida do possível, respeitar os pedidos dela e, se houver tempo, explicar o que é impossível de ser atendido.

4 - Permitir que a mulher escolha quem vai acompanhá-la --o pai da criança ou outra pessoa. E, se ela tiver contratado os serviços de uma doula, liberar também o acesso da profissional à sala de cirurgia.

5 - Baixar as luzes da sala de cirurgia e manter somente a mais clara no foco da operação.

6 - Manter o ambiente com uma temperatura agradável, não tão frio como costumam ser as salas de cirurgia. Para isso, o ar condicionado do local pode ser desligado e um aquecedor pode ser usado para aquecer um pouco o ambiente --e desligado assim que possível. Esse cuidado ajuda a mulher a não passar mais frio do que certamente vai sentir por conta da anestesia.

7 - Permitir que a mulher opte por escutar música. Se esse não for o desejo dela, desligar qualquer som ambiente é um cuidado interessante.

8 - Apresentar o anestesista à família e pedir que ele explique os procedimentos e converse com a gestante, enquanto a fórmula é injetada no corpo dela.

9 - Não fazer comentários engraçadinhos sobre o momento, mesmo que seja para descontrair a família. É esperado também que a equipe evite falar o tempo todo sobre assuntos triviais, ignorando a presença dos personagens principais.

10 - Permitir que a mulher assista ao momento de o filho nascer por meio de um espelho e convidar quem a acompanha a se aproximar do obstetra. É deselegante pressupor que ninguém gostaria de ver a cena.

11 - Não amarrar as mãos ou os braços da mulher. Basta que ela seja instruída a deixar as mãos apoiadas e explicar que a pressão dela será aferida durante a cirurgia.

12 - Não retirar o bebê rapidamente do corpo da mãe. Se tudo estiver correndo bem, a criança deve sair lentamente.

13 - Entregar o bebê para a mulher imediatamente depois de retirá-lo do ventre. Assim, a mãe pode oferecer o peito para o filho sugar. O cuidado não impede o pediatra neonatal de fazer as primeiras avaliações da saúde da criança.

14 - Não cortar o cordão umbilical imediatamente após o bebê nascer. Esperar que ele pare de pulsar.

15 - Se mãe e filho estiverem bem depois da cirurgia, permitir que a criança vá diretamente para o quarto do hospital, sem ter de passar pelo berçário.

Consultoria: Monica Picchi, neonatologista e pediatra no Hospital Israelita Albert Einstein; Alberto Jorge Guimarães, gerente médico do Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim), e Márcia Maria da Costa, diretora da Maternidade São Luiz - unidade Itaim, todos de São Paulo.

Topo