Gravidez e filhos

Seu filho é mimado?

Reflita sobre o assunto, a partir do teste elaborado com a consultoria da neuropsicóloga especialista em comportamento e desenvolvimento infantil, Deborah Moss, mestre em Psicologia do Desenvolvimento pela USP (Universidade de São Paulo).

  • Sim, precisa de limites

    Você tem dificuldade de contrariar seu filho, pois teme as reações dele. Às vezes, sente-se cansado demais para lidar com conflitos. "Por conta da ausência em função do trabalho, muitos pais tentam compensar a criança satisfazendo todos os desejos que ela tem. Eles alimentam um círculo vicioso, pois quanto mais a criança consegue o que deseja, mais quer", diz a neuropsicóloga Deborah Moss. A especialista sugere ter mais pulso firme e persistir. "Os pais que não fazem isso criam um filho pouco tolerante às frustrações, que poderá ter dificuldade de convivência", afirma Deborah.

  • Não, recebe limites e afeto

    Você permite que seu filho sinta raiva e/ou tristeza ao ser contrariado, que expresse isso e ainda dá a ele o apoio necessário para lidar com esses sentimentos. Assim, provavelmente vai criar um filho equilibrado, pronto para responder aos desafios da vida de maneira adequada. "Vivenciar situações negativas faz com que a criança valorize ainda mais as conquistas. Ao ouvir um 'não', ela perceberá que precisa se esforçar e criar novas estratégias para obter o que deseja", diz a neuropsicóloga Deborah Moss. Um aprendizado essencial para o amadurecimento.

  • Não, mas precisa de atenção

    Segundo a neuropsicóloga Deborah Moss, ter uma postura segura de autoridade é muito melhor do que mostrar-se um adulto inseguro nos momentos de confronto. No entanto, é importante que limite e afeto andem juntos, que a criança sinta-se à vontade para expressar o que sente e, em algumas situações, até para negociar com os pais. Caso contrário, ela poderá ter uma postura de passividade e aceitação sempre, pois não saberá como colocar-se adequadamente, nas mais diversas situações da vida.

  • Sim. E precisa aprender a tolerar

    Ao que parece, seu filho é quem dita as regras. Você apenas evita contrariá-lo. Porém, segundo a neuropsicóloga Deborah Moss, o resultado da falta de limites na educação é extremamente nocivo: "A criança que não aprende a esperar a vez, a controlar as suas vontades e a colocar-se no lugar do outro provavelmente verá o mundo lá fora como um lugar muito frustrante e ameaçador". Ela ainda ressalta a dificuldade de socialização que a criança poderá ter: "Na escola, no clube, na família, os colegas dificilmente suportarão uma criança inflexível, intolerante e centrada em si mesmo".

Topo