Horóscopo

Céu de outubro de 2012: Saturno em Escorpião proporciona época de muita transformação

Barbara Abramo

Do UOL, em São Paulo

Outubro começa sob os auspícios de um poderoso aspecto entre Mercúrio, Vênus e Escorpião, todos terminando um ciclo. Como uma última despedida, Saturno em Libra, exaltado e poderoso, fecha o seu trânsito deliberando julgamentos e conseguindo o apoio da mídia e de figuras de poder –respectivamente, Mercúrio e Vênus. O primeiro beneficiário deste ótimo aspecto que firma pactos, valores e dignidades é o nosso país, o Brasil, e seu governo. É como fechar um ciclo com chave de ouro e não poderia deixar de ser assim com Saturno dignificado, forte e equilibrado. Um dos primeiros bons resultados que teremos é a melhor imagem do Brasil no âmbito internacional --acordos comerciais, muitos de longa duração, poderão ser feitos.

As eleições ocorrem no dia 7, com a Lua no signo da emoção e do povo, apontando a preferência nacional para candidatos que apelem aos sentimentos e que tenham empatia com as pessoas --independentemente de suas posturas e discursos. Mas a Lua forma um contato forte com Plutão, adicionando dramaticidade e manipulação emocional ao pleito. Lua, Mercúrio e Saturno, em vínculo harmonioso com Netuno, apontam escolhas profundamente baseadas nas emoções e nas ilusões. Mulheres candidatas terão expressiva votação.

Um dia antes das eleições, pode haver um pronunciamento importante de alguém do governo, com uma postura mais sóbria, deliberando sobre cortes de gastos e uso de recursos. Será algo bem importante, visto que envolve planetas em posição bem proeminente no céu. Nesse período, pode também haver alguma perda importante, em termos humanos.

Na segunda semana, a Lua minguante em Câncer favorece o mundo das artes e as manifestações populares. Até a Lua nova em Libra, que ocorre em 15 de outubro, será um período ótimo para aperfeiçoar as leis e as regras que gerem os serviços públicos e as instituições bancárias.

Importante mesmo, em outubro, é a entrada de Saturno em Escorpião, que ocorre no dia 8. O planeta do tempo demora cerca de 28 a 30 anos para voltar a um signo. Em 1982 e 1983, Saturno esteve em Escorpião. A geração que nasceu naqueles anos é que irá sentir com bastante ênfase a passagem, especialmente por ter vindo ao mundo no período do último stellium planetário do século 20. Stellium é um termo em latim que designa um ajuntamento de estrelas (em singular do latim, stellae), o que reforça um dado conjunto de temas e conteúdos que se farão sentir com impacto por toda uma geração.

Voltando a Saturno, o planeta do amadurecimento e do tempo irá fazer um trânsito de dois anos e poucos meses em Escorpião. Em fins de dezembro, ele termina sua passagem e a grande lição será buscar a relevância e o que é essencial no uso dos recursos compartilhados por todos os países. Será um trânsito de impacto nas finanças internacionais, que sinaliza um tempo em que todos os países serão obrigados a se ajudar mutuamente para preservar suas economias. O que era uma crise econômica internacional vista como passageira, se aprofunda e mudará relações de influência política também.

Escorpião é também um signo que gere os frutos que saem debaixo da terra, como o petróleo, os metais e as pedras preciosas. Em um sentido geomorfológico, tem relação com cavernas e lugares profundos como vulcões --a imagem de um vulcão, aliás, é bastante eloquente sobre este signo vulcânico. Ao longo dos próximos meses, vamos ver novas abordagens sobre a vida e a morte, em termos de conceito e de função nas sociedades, já que Escorpião é o signo das transformações e das forças que pulsam no interior de cada ser humano.

Saturno em Escorpião representa o início de uma fase de grandes questionamentos sobre o governo federal. No Brasil, este é o signo que comanda os nossos governantes supremos, aqueles que moram lá no Palácio do Governo, em Brasília.  Isso tem tudo a ver com crises no equilíbrio de poder. Então, Saturno traz a pergunta: o governo brasileiro é relevante? Em que sentido? Como? Em que áreas? As crises, embates e críticas que virão têm tudo a ver com o trânsito deste planeta que atualiza o que é essencial e joga fora o que é acessório. Além de ver, também iremos protagonizar mudanças no governo brasileiro. E o Brasil sairá na frente, mostrando poder e controle na América Latina. Enfim, será um período memorável, digno de grandes reflexões, especialmente para o Brasil.

Quanto aos outros aspectos que colorem o mês, temos Vênus em Virgem apaziguando as finanças nacionais e um novo empreendimento na área de tecnologia com Marte e Urano em ótimo aspecto entre 15 e 19 de outubro. Esse ainda será um bom momento para os esportes nacionais.

A Lua nova em Libra, no dia 15, garante um fluxo de intenções equilibradas, melhorando a relação do Brasil com potencias estrangeiras. Nossa governante, Dilma Rousseff, poderá viajar e ter importantes encontros com mandatários de outros países e é bem provável que o Brasil recepcione altos representantes internacionais.

O trânsito de Mercúrio em Escorpião designa movimento, discussão e debates no âmbito do governo federal. É bem provável que, durante o seu percurso, se multipliquem os discursos e pronunciamentos do governo sobre prospecções subterrâneas ou descoberta de minas de metais ou substancias preciosas ou sobre novos acordos internacionais. O Brasil poderá firmar algum acordo internacional para receber grupos de pessoas em busca de melhores condições de vida, de outros países, egressos da Europa, por causa da crise que se aprofundará cada vez mais.

O Sol entra em Escorpião em 24 de outubro e, em seguida, forma um outro aspecto com Saturno, bem poderoso e indicativo de pronunciamentos, como medidas contra crises, regras financeiras e reforço do alcance do poder público. Um ciclo se fecha neste momento e pode abalar o poder de uma alta figura ligada ao centro do poder.

Na última semana do mês, a Lua cheia em Touro, em 29 de outubro, anima os debates políticos e traz para o primeiro plano as manifestações organizadas contra o governo federal. O mês termina bem diferente do que começou: em meio a grita geral e protestos contra medidas impopulares.

No mundo, as perspectivas são preocupantes com a entrada de Saturno em Escorpião, já que por ser um signo fixo e um planeta de escassez, anuncia penúria, dificuldade e perdas para muitos países afetados por uma crise que se estenderá. Como Escorpião tem um antigo simbolismo ligado aos países árabes, podemos imaginar um recrudescimento de questões internas, que já estão em primeiro plano desde meados de setembro último, e o fortalecimento progressivo de potências alinhadas com alguns países árabes.

Tanto entre os dias 4 e 9 quanto de 24 a 31 de outubro, as tensões internacionais aumentam bastante. Cortes e dificuldades progressivas podem imprimir saídas salvacionistas da economia da zona do euro, prejudicando ainda mais os países que já sofrem com a crise, como Espanha, Grécia e Portugal. Por outro lado, conforme o cenário astral explosivo que se configurou desde o fim de setembro, as manifestações populares serão grandes e terão aquele gostinho de rebeldia que não se via pelo mundo afora desde os anos 60. Muita coisa nova e bonita nascerá.

Topo