Horóscopo

Céu de junho de 2013: Dia dos Namorados e festas juninas agitam o mês

Barbara Abramo

Do UOL, em São Paulo

As festas juninas são o encanto de junho, um mês que começa com o excelente aspecto entre Sol e Urano, que favorece as ideias avançadas e as soluções inovadoras. Será um bom momento para abrir a cabeça para novos conteúdos e, no Brasil, pode vir com novidades a respeito das telecomunicações e dos setores ligados à mídia, eletricidade e tecnologia.

Ainda na primeira semana, Vênus em Câncer aglutina as pessoas em torno de festas e eventos familiares, já que este é um signo de clãs, super gregário, mas que fortalece os vínculos já existentes, os de origem, e não promove a abertura para o novo e o desconhecido. Ao mesmo tempo, Mercúrio, o mensageiro do zodíaco, favorece os acordos e contratos de longo prazo, com países vizinhos. Minérios e produtos extraídos do subsolo podem ser os temas destes acordos. No campo artístico, musical e cultural, Vênus, Mercúrio e Netuno inspiram encontros e novas produções. É o momento de expressão de um conjunto ou de uma pessoa do universo cultural brasileiro se destacar internacionalmente.

A segunda semana será oscilante, ao contrário da primeira. Marte e Netuno, em ângulo difícil, pedem cautela contra boataria e fofocas. Quanto mais boataria, mais oscilações e desentendimentos. Pressões internas e externas terão peso na mudança de legislação que incide sobre bancos e instituições financeiras e, pelo menos, um veículo importante da mídia estará envolvido em grandes mudanças entre 7 e 11 de junho. Estes dias serão tensos para o Brasil, podem trazer também problemas em todos os setores governados por Mercúrio: estradas, espaço aéreo, comunicações em geral, mídia, transportes e escolas. As relações entre professores e alunos da rede pública deve chegar a um ponto bastante complicado.

Por volta do Dia dos Namorados e Dia de Santo Antonio, padroeiro dos namorados, a amorosa Vênus está em aspecto tenso com Urano, o que significa oscilações e turbulências no campo amoroso. O jeito será inventar saídas criativas e inovadoras, evitando apelar para formulas batidas de comemorar a data. Devido às turbulências envolvendo Mercúrio e Vênus, haverá problemas com inflação e bancos. 

A partir da segunda quinzena, o cenário astral começa a desafogar. Depois destes dias de tensões e ultimatos, começa uma boa fase para empreendimentos novos. Marte e Urano se harmonizam, favorecendo empresários, especialmente os que têm visão ampla e espírito aberto para incorporar as conquistas contemporâneas.

Mas o período mais interessante começa em 17 de junho, quando haverá a última grande conjunção entre Sol e Júpiter no comunicativo signo de Gêmeos e que segue até 21 de junho. Esse é um momento de entendimento, pacificação e acordos, que no Brasil incidirá diretamente sobre as oposições políticas nacionais, com a possibilidade de surgir um consenso importante em torno de um nome ou nomes que possam fazer frente ao governo federal.

Será alguém que receberá o prestígio de uma importante figura popular no Brasil. A conjunção em questão também anuncia novidades a respeito da política de posse de terras. Pode ser um momento de atender a reivindicações antigas da população que habita os rincões perdidos do Brasil. Por ser a conjunção tão favorável e também por ocorrer num signo de comunicação, podemos esperar alguma medida do governo relacionada à ampliação e expansão de rede elétrica ou estradas que liguem regiões distantes e que até o momento enfrentavam dificuldade de contato com outros locais.

Em 21 de junho, ocorre o solstício de inverno, quando o Sol adentra o patriótico e emotivo signo de Câncer, fortalecendo o sentimento de pertencimento nacional. Em seguida, Sol e Saturno dão o sinal de que chegou a hora de lançar políticas de longo prazo, iniciar grandes empreendimentos de fôlego e de assumir, de forma madura, os custos de um crescimento econômico que pode afetar nossos recursos naturais e reservas --não apenas materiais, mas também financeiras.

A consciência de um futuro do qual somos responsáveis é o tema do trígono belíssimo que se forma entre Sol, Saturno e Netuno, em 25 a 27 de junho. Iniciativas entre grupos sociais, que possam trazer estas questões para o primeiro plano terão, se iniciadas aí, mais chance de não se perderem entre tantas outras iniciativas. Os projetos ganharão corpo e consistência, atraindo grupos interessados em melhorar o Brasil.

A outra novidade de importância em junho acontece em 25 de junho, quando Júpiter, o planeta da ética, da visão de mundo ampla e da Justiça, começa a transitar por Câncer, signo no qual estará com todo seu poder a mil, promovendo e cumprindo as promessas de abundância e prosperidade. No plano concreto, Júpiter pode vir acompanhado de uma grande produção de frutas e produtos extraídos de lagos, mares e rios navegáveis --todas as regiões próximas das águas, como nascentes ou pântanos. Essas são as regiões associadas a Câncer. Júpiter é um planeta que expande, e Câncer é a matriz, a maternidade, então é provável que também assistamos a um 'boom' de nascimentos durante o período.

Na última semana de junho, Mercúrio retrograda em Câncer, promovendo tempo de revisão, reflexão e adaptação de decisões tomadas anteriormente. Este movimento dura até 20 de julho, de modo que todos os contratos e assuntos que dependam de correios podem se tornar demorados e complicados, com possibilidade de extravio neste período.

Vênus entra em Leão em 27 de junho, abrindo a temporada de relações internacionais mais importantes para o Brasil. Em 30 de junho, Sol e Plutão armam um aspecto tenso, que pode significar tensões emergentes entre governo federal e Câmaras, mas que terá muito mais impacto no cenário internacional.

Por falar em cenário internacional, junho anuncia muita movimentação política importante para os Estados Unidos, um país regido por Câncer, signo no qual ocorre a maioria dos aspectos. Provas, desafios e tensões internas serão maiores por lá. 

Topo