Horóscopo

Céu de julho de 2013: aspectos astrais apontam tensões ao longo do mês

Barbara Abramo

Do UOL, em São Paulo

Julho começa com um clima de mais reflexão e revisão de posturas e posições, em comparação ao mês anterior. A própria natureza da Lua minguante do fim de junho colore os primeiros dias do mês com um tom mais crítico e analítico. Mesmo assim, a primeira semana do mês se sustenta no belíssimo e raro encontro de três astros de força coletiva impressionante: Saturno, Netuno e Júpiter.

Para os estudiosos da astrologia e algumas correntes filosóficas, movimentos e tendências econômicas podem ser estudadas por meio dos ciclos planetários. Por exemplo, as ideias socialistas são relacionadas ao ciclo Saturno-Netuno, enquanto o capitalismo é associado a Júpiter-Saturno. As religiões e os movimentos que implicam em fé, esperança e justiça social podem sempre ser associados a Júpiter e Netuno.

No momento atual, temos a rara condição astrológica do encontro destes três astros em harmonia, em signos do elemento água. Este elemento nada mais é do que a emoção, o sentimento e as conexões que se dão entre pessoas que sentem o mundo da mesma forma. Esse é o momento ideal para criarmos tendências culturais, musicais, artísticas, culturais e sociais que visem sempre algo melhor. A época de tornar sonhos em realidades começa quando Saturno e Júpiter se harmonizam, como agora.

Esta breve explicação ajuda entender a magnitude deste momento raro, já que não é todo ano que o encontro destes três astros --Saturno, Netuno e Júpiter-- acontece! Na fase de formação, o triângulo das águas, como muito chamam, trouxe à tona os sentimentos das massas e da coletividade para o Brasil, Turquia e outros lugares do mundo em que a insatisfação com certas condições estava grande demais. Agora, nos primeiros dias de julho, a chance de reflexão enriquece o entusiasmo e a vontade daqueles que querem mudanças boas e para muitos, em diversas áreas.

É preciso lembrar que no mundo também está vigorando a tensão continua entre as forças liberais e experimentalistas de Urano e as pressões de Plutão, o regente dos mundos infernais. Em todo confronto, haverá sempre um grupo que ‘encarnará’, por assim dizer, as forças dos mundos ínferos, enquanto outro ou outros grupos representarão as forças autônomas de Urano. Nos primeiros dez dias de julho, a tensão entre estes dois titãs soltos nas ruas será tremenda.

Lua nova
Após a Lua nova em Câncer, que ocorre em 8 de julho em Câncer, começa uma nova etapa, a da empatia e acolhimento das grandes questões relacionadas ao povo. Câncer é o signo que representa as massas, tem a ver com o patriotismo, as coletividades e, especificamente, comanda as mulheres, as crianças e todos os processos de cuidado e maternagem. No mapa do Brasil, a Lua nova neste signo indica foco e destaque das questões relacionadas aos serviços públicos, tais como saúde e atendimento a servidores públicos, especialmente mulheres e crianças. Podemos esperar por boas novidades nesta área!

Marte entra em Câncer em 13 de julho, acionando movimentos de busca de soluções para os problemas de servidores públicos, educação formal de base. Entre 15 e 23 de julho, Marte forma aspectos harmoniosos com o trígono triplo formado por Júpiter, Saturno e Netuno, levando mais água para o moinho das mudanças.  A Lua crescente em Libra pede justiça e este será um assunto caro aos corações. Neste contexto, as pessoas nascidas sob os signos de elemento água --Câncer, Escorpião e Peixes-- terão papéis de destaque, pois serão aquelas que poderão dar forma, entusiasmar, dar norteamento correto e sentir e traduzir direcionamentos gerais. As pessoas dos signos de elemento Terra --Touro, Virgem e Capricórnio-- também poderão contribuir com facilidade para este contexto.

Do ponto de vista climático, os astros indicam possibilidade de muitas chuvas, inundações, cheias de lagos e mares que podem afetar a comunicação de cidades. Mércurio em Câncer retrogrado também ressalta esta tendência até 20 de julho.

Mercúrio retrógrado, desde 26 de junho em Câncer, volta a andar em movimento direto em 20 de julho. Durante todo este período, será um fator astral que dificultará a comunicação em todos os níveis, especialmente entre os mais interessados em mudanças de peso e coletivas.

Na terceira semana, o cenário astral se torna um pouco diferente. O Sol entra no efusivo e alegre signo de Leão, quando, então, as relações internacionais e os acordos com outros países tendem a dominar a cena no Brasil. Nesta época, Vênus entra em Virgem, trazendo algum acordo importante no âmbito bancário, com algumas regras novas e uma proposta inovadora que pode surgir entre 25 e 30 de julho. Em 22, mesmo dia em que o Sol entra em Leão, ocorre a Lua cheia, dando força a confrontos e polarizações sobre poder e governados. Algumas decisões tomadas no mês anterior, que afetam ou limitariam o alcance de poderosos, podem ser revista ou tornar objeto de debate nacional.

Entre 28 e 31 de julho, surgem as melhores condições para um acerto na economia brasileira, algo que venha a conter a tendência do aumento de inflação e alta do dólar, por exemplo. A primeira tentativa poderá ser feita no comecinho de julho, mas não terá muito sucesso ou não chegará a ser implantada. 

Em relação ao governo brasileiro, a fase de maiores confrontos deve se concentrar entre 16 e 29 de julho, mas, com o Sol em Leão, é possível que medidas mais autoritárias sejam tomadas. Os dias mais delicados são 27 e 28 de julho, com a oposição entre Marte e Plutão, que sempre anuncia violência e agressividade.

O fim de julho traz Marte em Câncer tensionando Urano --sinal de problemas elétricos, eletroeletrônicos e muita atividade nas redes sociais, internet, além de conflitos sociais. Acidentes em aeroportos e avarias em aeronaves são comuns sob este aspecto.

Topo