Horóscopo

Deu ruim no signo: histórias de quem culpa o zodíaco pelas ciladas amorosas

Ilustração UOL/Leticia Vilela
Histórias de quem atribui ao mapa astral as ciladas amorosas imagem: Ilustração UOL/Leticia Vilela

Helô Oliveira

Colaboração ao UOL, de São Paulo

Você pode não acreditar 100% em horóscopo, mas vai dizer que nunca deu uma checadinha nas previsões naqueles dias de angústia? Tem gente que procura conselhos sobre o trabalho, a família, a saúde, viagens, contratos... E, claro, sobre o amor. “É inevitável. Quando vejo, já estou na internet pesquisando se o signo do cara combina com o meu”, admite a produtora de eventos Monica Honorato, de São Paulo.

O lance é que, muitas vezes, algumas pessoas acabam atribuindo ao zodíaco a falta de sucesso na relação a dois. Aquarianos instáveis demais, cancerianos que foram egoístas... A pedido do UOL, cinco pessoas contaram histórias de enrascadas em que se meteram "por culpa da astrologia".

Drama king
“Sempre tive problemas com pessoas de Câncer. Nunca consegui fazer amizades nem ter relacionamentos com gente desse signo. Ano passado, decidi deixar esse ‘preconceito’ de lado e dar uma chance para um cara. Começamos a conversar, a sair, a namorar e... Foi terrível! Como eu já previa, ele era extremamente egoísta. Nunca teve consideração por mim e fazia o que bem entendia, mesmo se fosse me magoar. Sempre que a gente brigava, ele assumia a postura de coitadinho. Quando tentava terminar, então, era um drama! Dizia que não fazia nada direito, que a única coisa boa na vida dele era eu e que sozinho iria se afundar. Depois de algumas tentativas, quando finalmente consegui colocar um ponto final, as chantagens voltaram mais fortes. Ele mandava fotos da avó, áudios das primas falando que tinham saudade, e implorava para que eu voltasse a fazer parte da família. Demorei muito para parar de me sentir culpada e me afastar de vez. Essa relação só reforçou o que já achava: cancerianos são manipuladores emocionais e só pensam no próprio umbigo. Hoje em dia, evito o signo a todo custo.” Thaís Chassot, 31 anos, professora.

Combinação explosiva
“Sou de Escorpião e me interessei por um cara de Áries. No dia em que nos conhecemos, já perguntei o aniversário para poder fazer minha pesquisa [risos]. Imaginei que seria uma ótima combinação, já que temos signos complementares, água e fogo. Mas a internet disse em letras garrafais: ‘não vai dar certo’. O site comentava que seria uma relação difícil e explosiva e foi exatamente assim. Um fracasso total. Enquanto eu era superfiel e amorosa, ele era egoísta e colocava a liberdade acima de tudo. Saímos por cinco meses, mas não teve jeito, uma hora acabou --e não posso nem dizer que não esperava, porque todos os sinais estavam lá.” Camila Abranches, 34 anos, jornalista e relações públicas.

Estabilidade zero
“Toda vez em que conheço um cara de Aquário, sei que vai dar errado. Aquarianos são superinteressantes, cheios de assuntos legais e amigos incríveis, mas como namorados são difíceis. Eles não se apegam a ninguém e odeiam se sentir presos, então pode ser que amanhã dê a louca e ele vá embora sem mais nem menos. Aconteceu comigo três vezes! Da última vez, fiquei com o cara por cinco meses e, de repente, ele sumiu do mapa. Fiquei tão traumatizada que hoje em dia não quero nem saber o signo da pessoa para não criar teorias. Dia desses saí com um cara muito chato, que só falava dele mesmo o tempo todo, bastante convencido. No meio do encontro, disse que era leonino e aí entendi tudo. Dei uma desculpa e fui embora --ninguém merece ficar com um leonino! Por mais que saiba que astrologia não é uma ciência exata, não tem jeito, minhas suspeitas sempre estão certas.” Malu Lopes, 28 anos, profissional de marketing digital.

Se conselho fosse bom...
“Minha história não tem a ver com um signo específico, mas com uma cilada em que o horóscopo me colocou. Quando estava na sexta série, li em uma revista que se me declarasse para o menino que gostava naquele mês ele iria me corresponder. Acreditei, claro, e fui me declarar. O cara foi tão grosseiro e idiota que passei anos traumatizada com essa coisa de signos. Quando via o horóscopo na revista passava correndo porque achava que se lesse uma coisa, ia acontecer exatamente o contrário.” Amanda Ramalho, 30 anos, humorista.

Perfil fake
“Conheci um cara no Tinder e, logo de cara, perguntei o signo. Percebi que ele ficou enrolando para falar e disse que só me contaria ao vivo. Saímos e, óbvio, ele era canceriano. Na hora, pensei ‘xi, lá vem problema’, mas pesquisei em um site e lá dizia que ia dar muito certo, que não precisava me preocupar. O cara fazia crochê, era todo sensível, preparava jantares à luz de velas, era incrível na cama... Igualzinho dizia no site! Até aí, maravilhoso, né? Depois de umas semanas, ele me mandou uma mensagem: ‘hoje não vou poder sair com você, estou voltando com a minha ex’. Desse jeito mesmo, do nada! Foi horrível.” Monica Honorato, 30 anos, produtora de eventos.
 

Topo