Vídeos

9 marcas que foram sonho de consumo de todo adolescente dos anos 90 e 2000

Do UOL, em São Paulo

Muito antes dos tênis Mizuno de R$ 900 nas prateleiras das lojas e das tão cobiçadas camisetas da norte-americana Hollister, os jovens que cresceram nos anos 90 e 2000 curtiam usar itens de outras marcas que agregavam ao conceito de status entre os amiguinhos --fossem elas peças obtidas a partir de um "paitrocínio" na classe média/alta ou adquiridas após meses de economia do salário suado. O UOL relembra algumas peças e grifes que já foram objeto de desejo: 

  • Divulgação

    Óculos da HB

    A "lupa", como era chamado o acessório, conquistava grupos sociais que iam da periferia à classe média alta. E os looks variavam entre a combinação dos óculos com moletons e calças, mostrando parte da cueca, à pegada surf das bermudas floridas com camiseta mais básica. Ele tinha hastes maleáveis e o formato arredondado seguia o formato do rosto.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Fido Dido

    A marca era alvo de adoração e foi centro até de algumas lendas urbanas. De acordo com alguns alarmistas, o nome estranho significava, na verdade, uma mensagem macabra direcionada ao demônio. Verdade ou não, o pessoal usava o rosto do personagem do logo tanto nas roupas como no material escolar.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Óculos da Oakley

    Depois do óculos da HB, o modelo espelhado da Oakley era um grande sucesso entre os mais ousados. Em versão unissex, o acessório conquistava tanto os meninos como as meninas. Os críticos do estilo falavam que o óculos parecia olhos de mosquito.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Shortinho da Sexy Machine

    O shortinho de lycra bem curtinho era o companheiro ideal do biquíni das garotas e até o uniforme predileto das aulas de axé music. Sem contar que o logo ficava em um lugar de destaque e atraía os olhares de todo mundo.

    Imagem: Divulgação

  • Reprodução/Twitter

    Botinha da LuiLui

    Itens da moda surf também tiveram a sua parcela de sucesso entre os jovens da época. É o caso da botinha da LuiLui. O calçado de camurça podia estragar com qualquer chuvinha, mas era bastante confortável e, teoricamente, combinava com tudo --até com o uniforme da escola. O modelo aparecia tanto com calças de boca larga como com saias jeans e meias brancas.

    Imagem: Reprodução/Twitter

  • Divulgação

    Tênis da Plasma

    Junto com a moda surf, as peças da cultura do skate também ganharam espaço no guarda-roupa dos jovens. Os tênis enormes e bem acolchoados estavam sempre no pé dos mais descolados. Quão mais volumoso, melhor.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Calça da Recruta

    A marca de roupas Recruta ganhou popularidade entre os moradores da periferia junto com a ascensão do axé music. As calças de moletom molinho, muito parecidas com as usadas por Xanddy, do Harmonia do Samba, ajudavam a melhorar o "rebolado" dos meninos, enquanto as garotas curtiam a versão camuflada e justinha do modelo.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Calça da Cyclone

    Outra calça de moletom a virar queridinha foi a da marca Cyclone, que vinha com estampas em seu comprimento e cordão para amarrar. Os mais "malandros" usavam o modelo com tênis chamativos e volumosos. Puro style.

    Imagem: Divulgação

  • Divulgação

    Boné da Fubu

    O "FB" do logo da marca estampava nos bonés cujas as abas eram curvadas com bastante afinco. Aba reta era considerado brega, muito diferente de hoje em dia.

    Imagem: Divulgação

Topo