Últimas de Estilo de vida

Na contramão do consumismo: 7 motivos de mulheres que não gostam de comprar

Julia Guglielmetti

Do UOL, em São Paulo

Enquanto muitas mulheres passam horas e horas nos shoppings se esbaldando em compras, outras não gostam da prática. Para elas, ter que comprar uma roupa nova não é nada prazeroso. A seguir, veja depoimentos de sete mulheres que passam longe do consumismo da moda.

  • Arquivo pessoal

    "Tenho prazer em ganhar, reformar e fazer roupas"

    "Gosto da ideia artística que envolve a criação de moda e das referências históricas e culturais, mas não me interesso pela homogenização, de todo mundo se vestir igual. A moda é feita pra gente refletir sobre um momento da nossa cultura", comenta Nathalie Gingold, 31, doula na tradição. Ela conta que só compra roupa se for muito necessário, mas na maioria das vezes ela garimpa brechós, ganha, reforma e ou faz suas próprias peças.

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Sou muito objetiva e avessa a desperdícios"

    "Gosto de moda, inclusive estudei moda e trabalho com moda! Acho maravilhoso poder escolher peças que te deixem bem e que representem o seu estado de espírito no dia, mas não gosto do conceito de roupas descartáveis. É legal escolher algo que você goste muito e use por um bom tempo. Já fiquei sem comprar roupa por mais de um ano e costumo repetir sempre as peças que tenho, misturando coisas novas com as mais antigas", conta Mellise Dantas, 26, empresária, que se considera uma pessoa objetiva e contra o desperdício.

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Roupas nunca ficam bem em mim"

    A designer gráfica Luiza Vitali, 26, desabafa que, por não ter um corpo padrão, as roupas não ficam bem. "Tenho os seios grandes e muita dificuldade de encontrar roupas que se encaixem no meu tipo de corpo". Como adora moda e trabalha com isso, compensa seu estilo com muitos acessórios.

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arthur Barsali/Arquivo pessoal

    "Sensação de perda de tempo"

    "A sensação que tenho quando entro em uma loja para comprar sem tanta necessidade é de perda de tempo", diz Juliana Santoros, 20, servidora pública e estudante de jornalismo. Ela conta que só compra quando suas roupas estão muito gastas ou se depara com algo que se identifica muito. "Apesar de eu ser um pouco vaidosa, não vejo sentido em sair às compras. Tenho um gosto muito específico e é raro encontrar algo que eu goste".

    Imagem: Arthur Barsali/Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Acho raro encontrar roupas originais, modernas e bem feitas"

    A consultora de moda Mariana Rocha, 52, conta que só compra roupa quando está viajando. "Por aqui, o que mais se vê são peças mal feitas, sintéticas e mal cortadas. Tem marcas e lojas com roupas boas, mas geralmente é difícil encontrar meu tamanho nelas. No exterior é mais fácil, os grandes magazines oferecem muitas opções, com variedade de tamanhos e cores. Há também marcas mais sofisticadas, com peças originais e com identidade, mas que são mais caras".

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Tenho preguiça do ritual das compras"

    "Não gosto de ir até um shopping, olhar vitrines, falar com o vendedor, ficar na fila do provador e ter que vestir várias peças para decidir o que levar. Gosto de ter roupas, mas todo esse processo é muito chato", confessa Juliana Carqueijo, 31, produtora de arte. Ela completa dizendo que só compra quando perde muito tempo em frente ao guarda-roupa e percebe que não tem nada pra vestir. Nesse caso, recorre às lojas online.

    Imagem: Arquivo pessoal

  • Arquivo pessoal

    "Uso 34, imagina o sofrimento?"

    A hostess Mirella Floren, 28, veste 34 e tem dificuldade de encontrar roupas que sirvam bem. "Eu normalmente já tenho em mente o que quero comprar e sei as lojas onde consigo achar meu tamanho. Salvas algumas raríssimas exceções de quando eu passo em frente de uma loja, vejo uma peça maravilhosa e tem meu tamanho. Mas é bem difícil. Esse ano só fiz isso uma vez".

    Imagem: Arquivo pessoal

Topo