Moda

Paris lança prêt-à-porter masculino de primavera-verão 2010

PARIS, França, 23 Jun 2009 (AFP) - Os desfiles de prêt-à-porter masculino para a primavera-verão 2010 começam nesta quinta-feira em Paris, com o objetivo de, em cinco dias, trazer à tona beleza, tradição e modernidade contra a crise econômica.

  • AFP

    Look da coleção Inverno 2009 da Givenchy apresentado na última temporada


A grande falta desta temporada será Yohji Yamamoto que, pela primeira vez em 20 anos, não vai apresentar sua coleção em um desfile tradicional, e sim em um showroom só para convidados, de 27 de junho a 3 de julho. Esta é uma medida de "prevenção" e "sensatez" no contexto atual de crise, porque a organização de um desfile representa um grande orçamento, explicou um porta-voz da marca japonesa.

A estilista belga Véronique Branquinho também estará ausente, porque sua empresa teve que se declarar em quebra há algumas semanas, devido a problemas com o pagamento de fornecedores.

Cerca de 50 criadores e marcas vão apresentar seu trabalho, mais de seis deles estreantes. Um desses estilistas é o francês Alexis Mabille, que vai inaugurar a temporada nesta quinta-feira. Considerado um dos mais promissores de sua geração pela imprensa especializada, Mabille já apresentou alguns looks masculinos em seu desfile de Alta-Costura na temporada de janeiro.

Fanático por gravatas borboleta, que salpica em todas as suas coleções, Mabille faz parte da conceituada Câmara Sindical de Alta-Costura francesa e recebeu influências de Emanuel Ungaro, Nina Ricci e Christian Dior, entre outros. Estreante apenas nas passarelas, Alexis Mabille é também diretor artístico da Pyrenex, especializada em produtos com enchimento de espuma, para quem criou uma linha de casacos, ponchos e jaquetas refinadas e urbanas.

Outro estilista que vai debutar em Paris é Sébastien D. Rodriguez, formado pela Saint Martin's School de Londres. Além de sua coleção masculina, a marca Billtornade (de blazers secos e modernas calças saruel masculinas), dos irmãos Francis e José Ronez, vai apresentar looks para crianças e adolescentes de 8 a 16 anos. A marca decidiu "se concentrar no homem" e reduzir sua linha feminina, "muito mais difícil comercialmente", disse um porta-voz da Billtornade.

A passarela de Paris vai mostrar também o trabalho do americano Tim Hamilton, que acaba de ser premiado pelo Council of Fashion Designers of America, além dos looks do sul-coreano Song Zio, de linhas minimalistas e muito preto, e do árabe Walid Al-Qasimi.

Quase todos os desfiles acontecem nos quatro primeiros dias, quando se apresentam as marcas mais conhecidas, como Louis Vuitton, Jean Paul Gaultier e Emanuel Ungaro, na quinta-feira; Thierry Mugler, Givenchy e John Galliano na sexta-feira; Kenzo e Hermes no sábado e Lanvin e Dior no domingo.

Dai Fujiwara, que nas últimas edições apresentou suas coleções para Issey Miyake em manequins e não em modelos, volta às passarelas nesta quinta-feira. Mais uma vez, Stefano Pilati para Yves Saint Laurent optará por um desfile durante uma recepção na quarta-feira à noite, além de um apresentação vip em seu showroom na quinta-feira.

No último dia do calendário, no dia 3 de julho, desfilam apenas duas marcas: Marchand Drapier, empresa familiar com sede em Toulouse (sudoeste da França) de camisas bem cortadas e coletes masculinos, e House of the Very Island, um duo de estilistas austríacos que só utilizam materiais ecológicos, mostrando que até Paris, uma das capitais do luxo mundial, se rendeu à moda "verde".

Topo