Moda

As amazonas de John Galliano dominam os desfiles de Alta-Costura

A coleção do extravagante John Galliano para a casa Christian Dior dominou nesta segunda-feira o primeiro dia dos desfiles de alta-costura para a primavera-verão. Amanhã, terça-feira, será a vez de Gustavo Lins, o brasileiro convidado a desfilar nas mais célebres passarelas da moda.

  • Getty Images

    Modelo desfila criação de John Galliano para a Dior na Semana da Alta-Costura de Paris (25/01/2010)

 

Vestidas em conjuntos ajustados ou saias amplas e jaquetas estreitas, as cavaleiras de Galliano desfilaram nos grandes salões da sede histórica da Dior, na avenida Montaigne, onde divas como a cantora australiana Kylie Minogue e a atriz chinesa Maggie Cheung se misturaram com mestres da alta costura, como Pierre Cardin.

 

Galliano, nascido na Grã-Bretanha, propõe, também, suntuosos vestidos de baile, ricamente bordados, numa das coleções mais esperadas destas passarelas, inauguradas na noite de domingo com a apresentação da mostra do holandês Josephus Thimister, intitulada "Sangue e Opulência".

 

As "silhuetas de Galliano são incríveis e fazem pensar na paleta de um pintor, talvez (Pierre) Bonnard", comentou Cheung à AFP. A coleção de Galliano "é muito feminina", destacou o presidente da Casa Dior, Sydney Toledano. "É nossa arma fatal para brigar no mercado", acrescentou, admitindo, implicitamente, um fato: a alta-costura é atividade deficitária para as grandes marcas, mas representa a melhor vitrine da imagem das célebres Maisons, impulsionando as vendas de seus perfumes e acessórios.

 

O que Galliano mostra "é o oposto do que eu faço", assinalou Cardin, depois do desfile. Mas ele "sabe o que quer expressar", disse.

 

Na sessão paralela, jovens estilistas franceses e de países emergentes mostraram suas coleções, com a não tão secreta aspiração a, um dia, serem eleitos pela Câmara Sindical de Alta-Costura, que organiza os desfiles e estabelece os estritos critérios para o título "Casa de Costura". Entre eles, o libanês Georges Chakra, que se converteu no favorito de estrelas de cinema depois de desenhar o vestuário do filme "O Diabo veste Prada" (2006); ele mostrou nesta segunda-feira 40 criações, em organza, tule, cetim, em cores que iam do rosa do alvorecer ao laranja de um pôr do Sol. A desenhista Bouchra Jarrar apresentou sua coleção no Museu de Artes Decorativas, com vestidos de uma elegância simples e clássica.

Topo