Moda

Pulseira descrita como 'escrava' gera polêmica na França

De Paris

A marca espanhola de moda Mango se viu envolvida nesta segunda-feira (4) em uma polêmica na França por uma tradução errônea da palavra "escrava", feita do espanhol ("esclava") ao francês, e utilizada na descrição de uma coleção de pulseiras e de um colar em seu site francês.

Embora em espanhol a palavra "esclava" também signifique um tipo de pulseira, este sentido não existe em francês, o que gerou uma grande comoção que forçou a Mango a se desculpar pelo erro e pelo mal-entendido.

"Lamentamos o erro na tradução. Os serviços responsáveis já foram advertidos e farão a correção imediatamente", disse a empresa espanhola em sua conta oficial do Twitter, pouco antes de informar em um comunicado que já havia realizado a troca da denominação em seu site francês.

"A Mango não quis em nenhum caso ferir a sensibilidade de ninguém e realizou as modificações em todas as suas plataformas", acrescentou no comunicado.

Uma petição pela internet lançada pelas atrizes francesas Aissa Maiga e Sonia Rolland e pela colunista Rokkaya Diallo, intitulada "A escravidão não é moda", havia recolhido nesta segunda quase três mil assinaturas.

"Estas joias em formato de correntes fazem da escravidão um objeto de fantasia e de moda", clamavam os autores da petição. "A Mango banaliza tragédias... que ainda hoje afetam milhares de pessoas ao redor do mundo", acrescentaram.

Topo