Moda

Armani leva requinte e suavidade para a passarela de alta-costura

Getty Images
Na coleção da Giorgio Armani Privé predominaram a seda e a renda, mas também houve espaço para as plumas de marabu imagem: Getty Images

De Paris

Giorgio Armani apresentou nesta terça-feira (2) em Paris uma coleção de alta-costura cheia de requinte com materiais nobres, e também suave, com muito rosa pálido e bege.

A coleção, em que predominaram a seda e a renda, também abriu espaço para plumas de marabu, um sonho dos estilistas de alta-costura.

Os vestidos longos tomaram a dianteira da passarela. Os looks vão do rosa muito pálido ao nude e bege. "Nude" é exatamente o nome dessa coleção, que brinca com transparências, revelando muito dos corpos das modelos.

O brilho também impera em tules bordados em dourado, calças leggins com strass, cristais Swarovski, pérolas e lantejoulas, o suficiente para despertar nas mulheres o antigo sonho dos vestidos de princesa.

Na coleção de Alexandre Vauthier, a mulher está em grande parte nua, extremamente sexy em um resultado bem sucedido para a passarela.

Os ombros dos casacos aparecem quadrados, dando uma aura triunfante e poderosa às modelos. Os vestidos têm fendas, deixando entrever toda a perna, e os decotes chegam ao umbigo. A atriz francesa Mathilde Seigner apostou no estilista. Seu vestido vermelho muito decotado que provocou frisson na última edição do festival de Cannes é assinado por Alexandre Vauthier.

A coleção do estilista foi dominada pelo branco e preto, mas um azul-céu apareceu para suavizar os looks. O estilista escolheu essa cor para o final do desfile, com uma saia de cauda longa coberta de plumas de avestruz em azul-céu, feita pelo famoso ateliê Lemarié, acompanhada de um casaco com muito brilho e todo bordado.

No começo do dia, Julien Fournié apresentou uma coleção em um mundo de sonho. Os looks eram mais fechados que os de Vauthier, mas houve espaço também para costas nuas. Um vestido de corte evasê chamava atenção, assim como outro bordado com vários paetês em bronze e preto que davam a impressão de pele de cobra.

O brasileiro Gustavo Lins, único representante latino-americano na seleta Câmara de Alta-Costura da França, propôs blazers cinzas e pérolas muito suaves. Em alguns looks, as estampas em preto e branco foram pintadas à mão. A modelagem lembrava muito o Japão, como em um casaco de estilo quimono, lembrando que Gustavo é um arquiteto de formação e sempre gostou de incorporar linhas puras e modelagem retas às suas coleções.

Na quarta-feira, desfilarão Jean Paul Gaultier e Elie Saab.

Topo