Moda

Em 2014, as lingeries serão sexy e refinadas, mas longe da vulgaridade

Alain Jocard/AFP
Modelos desfilam lingeries para 2014 durante o Salão da Lingerie de Paris imagem: Alain Jocard/AFP

De Paris

O pornô chique dos anos 2000 e a tendência andrógina viraram coisa do passado: longe de ser vulgar, a lingerie de 2014 é glamourosa e sexy, e aposta em transparências, laçarotes e belos tecidos, como renda e seda.

Essa lingerie refinada e com ares vintage é uma das principais bandeiras defendidas pelas grifes presentes do Salão da Lingerie de Paris, que terminou nesta segunda-feira (27).

"Nova emoção" é o nome da nova coleção apresentada pela marca francesa Huit, mais conhecida por seus modelos modernos do que pela pegada sexy. Mas os tempos são outros: a nova coleção foi feita em preto e vermelho, os sutiãs trazem acabamentos em renda e um body traz um grande laço nas costas.

A marca, que tem como alvo mulheres ativas, "evolui para um lado mais glamour, mais sexy... Um mercado em crescimento", explicou à AFP Hervé Mosnier, diretor de exportações da Huit. Ele garante que "as mulheres têm procurado menos produtos simples, joviais".

Para a representante do Salão, Séverine Marchesi, "a novidade é que todas as marcas se propuseram a desenvolver uma linha de lingerie sexy". Marchesi fala de um sexy "diferenciado" e também "muito assumido", com uma aposta grande em decotes. A paleta de cores também não nega a que veio: vermelho, preto, azul escuro. "Tudo isso com um retorno de materiais muito bonitos, como a renda e a seda", explica.

Presidente da Lise Charmel, famosa marca de lingerie francesa, Olivier Piquet se disse orgulhoso de apresentar a coleção "Recital Sexy". O conjunto das peças alia renda de Calais, bordados em vermelho sobre arrastão, traz laços de seda no lugar do tradicional fecho do sutiã e do lado das calcinhas, que devem ser desatados nos momentos de maior intimidade.

"Nossas vendedoras nos trazem os pedidos das clientes. Elas querem se divertir, querem um sexy lúdico, talvez em resposta à monotonia da vida cotidiana", explica Piquet.

"É a feminilidade escancarada, sem ser vulgar", diz Stella Cadente, diretora artística de diversas marcas de lingerie.

'Cinquenta tons de cinza'

A célebre grife Aubade - que sempre investiu na "sedução" - vai mais longe no sexy, quase chegando ao erotismo, como explica a representante da marca Claire Masson. A calcinha do conjunto "A bela a cavalo" traz um entrelaçado até o meio das pernas. Alguns bojos são feitos em transparência, enquanto outros sutiãs deixam o seio completamente à mostra. "Quando a mulher abre o espartilho é como se ela se despisse de suas camadas", diz Masson.

A tendência sexy pode ser um reflexo do fenômeno "pornô-soft" alavancado pelo best-seller mundial "Cinquenta tons de cinza", da americana E.L. James. O livro "quebrou alguns tabus" e "liberou o discurso sexual", segundo os organizadores do evento. 

Topo