Moda

Com peças práticas, desfiles de Paris preparam homem para o apocalipse

AFP
Rick Owens colocou homens com rostos maquiados na passarela em Paris imagem: AFP

Um homem protegido e abrigado por uma moda ampla e confortável se sentirá mais seguro no próximo inverno em um mundo potencialmente hostil: os estilistas interpretaram essa previsão, cada um à sua maneira, nas passarelas de Paris nesta quinta-feira (21).

Congelamento apocalíptico na visão de Rick Owens
Enquanto todos falam de aquecimento global, Rick Owens trouxe ares de um congelamento apocalíptico ao apresentar seu desfile em um cenário subterrâneo de concreto e com forte luz branca.

Nesse ambiente de extremos, acentuado por uma trilha sonora de graves amedrontadores, desfilaram os guerreiros urbanos do estilista californiano, com o rostos maquiados de branco cadavérico e olheiras ao estilo zumbi.

Felizmente, a moda trouxe para esses guerreiros o couro, as peles e tecidos superprotetores de fibras em estilo mohair na paleta habitual da estação - preto, marrom e bege -, além de Owens agregar este ano o laranja.

Alguns casacos parecem cobertores, protegendo o corpo com pregas irregulares. As calças, "baggys" de perna muito ampla e cortadas abaixo do comprimento normal, por vezes escondem totalmente os calçados, para aqueles que não têm medo de tropeçar ao caminhar, nem voltar pra casa com as bainhas encharcadas.

O "neonômade" sobrevive em Issey Miyake
O homem de Issey Miyake vai enfrentar sem perder a elegância a hostilidade dos elementos naturais e da vida urbana no Inverno 2016.

A coleção do estilista Yusuke Takahashi está destinada a abrigar o "neonômade", a variedade de ser humano que floresceu no mundo globalizado da economia de internet.

Pode trabalhar em um café com wifi, em um aeroporto ultramoderno entre dois aviões ou em uma cabana em plena natureza: sua forma de vestir deve responder ao desafio da versatilidade.

"Antes usávamos cavalos como meio de transporte e a roupa era projetada para montar", disse Takashaki em entrevista à agência AFP. "Eu quis desenhar a roupa para que os urbanos possam se movimentar de bicicleta ou para os que viajam a negócios", prosseguiu.

Parte de sua coleção é inspirada na vida nômade nas estepes da Mongólia, presente nos tecidos de lã. Aqui também há muita fibra mohair e o estilista japonês recorre também a crina de cavalo. Outros modelos são mais esportivos, com materiais sintéticos e poliéster.

Moda parisiense no smartphone
A Federação de Costura da França lançou o aplicativo Paris Fashion Week, que permite consultar o calendário dos desfiles de moda masculina, feminina e Alta-costura.

Além disso, abre as porta para jovens criadores em "Designers Apartment" e para 'maisons' que participam do "New Now", link para suprir os internautas com imagens, vídeos e pontos de venda das coleções de cerca de 30 marcas antes mesmo das roupas chegarem às lojas.

Topo