Moda

Dez tendências de moda feminina direto das passarelas de Paris

AFP
Modelo desfila com lábios pretos para a maison Dior, na Semana de Moda de Paris imagem: AFP

Lábios escuros, botas, anos 1980, veludo, pele de cordeiro e lãs de todo tipo estiveram entre as dez tendências das coleções de prêt-à-porter da Semana de Moda feminina para o Inverno 2017, que terminou nesta quarta-feira (9) em Paris.

Vampiras de lábios escuros
A tendência ficou marcada pela modelo americana Kendall Jenner no desfile da Dior, realizado em um cenário retrofuturista: os lábios pintados de preto, sem necessariamente evocar o estilo gótico, mas inevitavelmente se referindo a uma mulher fatal. O recurso foi usado em outras coleções, incluindo o encerramento nesta quarta-feira com o desfile da Louis Vuitton, com lábios em tons muito escuros. Para a Saint Laurent, Hedi Slimane optou por usar o preto muito marcado nos olhos de todas as suas modelos.

Volta aos anos 1980
Saint Laurent voltou aos 90 e 80 como fonte de inspiração, para a felicidade das amantes do estilo glam-rock: babados onipresentes, ombros exagerados e cintos dourados ou prateados muito largos, cuja volta ninguém ousava em pensar. A tendência apareceu em marcas consagradas ou principiantes, de Balenciaga a Veronique Leroy, passando por Neith Nyer, a marca do brasileiro Francisco Terra, que em seu segundo desfile parisiense apresentou uma coleção com ostentação, com enormes aros de metal para todos os gêneros.

Quanto maior, melhor
Vetements, a estrela em ascensão da moda parisiense, junto com Chloé, Dries Van Noten, Rick Owens, Céline e Stella McCartney variaram quase ao infinito as possibilidades do GGG, com muito plissados, sobreposições e peças muito amplas. Para elas não parece ruim se vestir assim para se sentirem aquecidas do inverno rigoroso ou em um mundo hostil, ambiente lembrado em alguns cenários apocalípticos.

Guerreiras urbanas
Botas e jaquetas de couro do universo motociclista trazido para as passarelas da Chloé ou inspiradas em uniformes militares (Sacai, John Galliano, Margiela, Louis Vuitton). A mulher se transforma em uma guerreira urbana. Até a bailarina de Valentino tem um tutu que parece uma armadura e usa botas militares.

Botas acima do joelho
As botas altas em todas as suas variações apareceram em muitas passarelas. Na Vetements sobem muito acima dos joelhos. O georgiano Demna Gvasalia usou a tendência na Balenciaga, com plataformas. Onipresentes em Rick Owens, as botas altas também calçaram a mulher da Balmain. Outras opções: a bota de inspiração equestre da Chanel, sem salto. Na Paco Rabanne apareceram botas de salto reto futuristas, douradas ou prateadas.

Cinquenta tons de violeta
A cor violeta aparece em Dries Van Noten na versão noturna. Aparece também na Chanel, Balenciaga e Margiela, além da passarela de Elie Saab, em versão rendada. Kenzo apela para malha, em pequenos detalhes ou no look total. A Miu Miu adotou em calças de inspiração asiática.

Cordeiro, veludo e lãs
A pele de cordeiro está em toda parte: na Margiela em uma jaqueta com capa, na Balenciaga, Carven, Hermès... O veludo não fica atrás: brilhante em Nina Ricci, tratado especialmente para ter um efeito de "chuva". Muito anos 70 em Vanessa Seward, sem preconceitos em Vivienne Westwood e punk na Koché. As malhas de lã aparecem em muitas variações para sobreviver ao inverno. Octavio Pizarro combina materiais sintéticos com lãs mohair ou alpaca.

"Animal print"
As estampas de inspiração animal continuam seduzindo. O leopardo mostras suas manchas na Dries Van Note e na Dior. Mugler usa em peças de veludo com tule ou bordados, e aparece nos ombros de peças de veludo. O tigre aparece também na passarela da Kenzo, onde já é quase um emblema. Em uma interpretação mais suave, Stella McCartney trouxe cisnes elegantes nas estampas.

Assimetrias
Foram a regra em John Galliano para Margiela, marca adepta da desconstrução. Foram lúdicas em Jacquemus, sensuais em Esteban Cortázar e mais discretas na Dior. Aparecem também nos acessórios: já não é mais necessário ter um par de anéis, com um só já se alcança o estilo. Mas, claro, tem que ser volumoso. O alfinete, acessório punk por excelência, reapareceu em Stella McCartney e Balenciaga.

Ver e comprar
O sistema que consiste em apresentar nos desfiles looks que já estão disponíveis no mesmo momento nas lojas seduz cada vez mais as marcas de Nova York. Mas a ideia não entusiasmou Paris com algumas exceções, como na passarela da Courrèges, que começou a vender um terço de sua coleção no mesmo dia de seu desfile. Grandes marcas parisienses, como Dior, se mostraram prudentes e asseguram que a ideia atenta contra a criatividade. Outras menores, como Octavio Pizarro, não veem grande interesse.

 

Topo