Moda

Zara cria 'disque-denúncia' de trabalho escravo

Sergio Perez/Reuters
Sacola da grife espanhola de roupas Zara, denunciada por trabalho análogo à escravidão no Brasil imagem: Sergio Perez/Reuters

São Paulo - O representante do grupo Inditex, do qual a empresa de confecção Zara faz parte, Jesus Echevarria, afirmou na tarde de hoje que os casos de trabalho escravo revelados numa investigação do Ministério Público do Trabalho de São Paulo ferem os princípios e os interesses do grupo.

Ele participa de uma audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Echevarria anunciou ainda medidas para combater esse tipo de crime. O número 0800 770 9242 entrará em operação ainda hoje. Segundo o representante, o grupo também fortalecerá o monitoramento da cadeia produtiva, implementará um programa de capacitação de fornecedores e fará um manual de boas práticas para a indústria têxtil.

Ministério do Trabalho fecha oficinas fornecedoras da grife Zara

Segundo o auditor-fiscal Luís Alexandre de Faria, que coordenou a investigação que flagrou a prática de trabalho escravo por empresas terceirizadas pela Zara, os maiores problemas com relação a trabalho escravo no Brasil estão diretamente ligados às cadeias de produção nas áreas de vestuário e da construção civil.

Representantes do ministério da Justiça, Ministério Público do Trabalho, do Itamaraty e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) também participam do debate, proposto pelos deputados Arnaldo Jordy (PPS-PA), Geraldo Thadeu (PPS-MG) e Manuela d'Ávila (PCdoB-RS).

Topo