Moda

Mais de 40% dos italianos não compram roupas 'made in China'

MILÃO, 24 SET (ANSA) - Cerca de 43% dos italianos não compram uma roupa se percebem que a etiqueta diz "made in China", de acordo com uma pesquisa feita pela Câmara de Comércio de Monza e Brianza, na região da Lombardia.

Entre as cidades pesquisadas, o maior índice de rejeição está em Nápoles, onde 53,6% das pessoas não compram produtos chineses. Já o menor acontece em Roma, com 42,7% dos consumidores que não têm preconceitos.

Os napolitanos também são os que mais prestam atenção nas roupas das outras pessoas para saber se são de marca ou não -- 40,4%, contra 32,7% da média italiana.

Ainda de acordo com o estudo, 33,4% dos cidadãos levam a mercadoria para casa de qualquer forma e 5,5% não olham a etiqueta quando fazem compras.

A pesquisa mostra também que cresce o número de trabalhadores ambulantes na moda: as empresas ativas no comércio ambulante de produtos têxteis, roupas, calçados e artigos de couro na Itália são mais de 40 mil -- um aumento de 7,6% em oito meses.

Entre os ambulantes que abriram uma empresa individual para vender roupas nos primeiros meses do ano, mais de dois mil são originários de países que não fazem parte da União Europeia.

Foram entrevistadas 600 pessoas em Milão, Roma, Nápoles e Monza.
Topo