Moda

Brasileira ensina a arte de vestir quimono no Japão

BBC
Kamila Miyuki Yamashiro, de 24 anos, é professora em uma das mais famosas e tradicionais escola do Japão, a Hakubi Kyoto imagem: BBC

Ewerthon Tobace De Chiba, Japão, para a BBC Brasil

O quimono, principal vestimenta usada por séculos no Japão, perdeu espaço para a roupa ocidental e, hoje, a grande maioria dos japoneses já não sabe mais vesti-lo corretamente. Grupos de cidadãos e o próprio governo incentivam os cursos e workshops da arte de vestir o quimono, para não deixar a tradição morrer.

Entre os difusores da tradição está uma brasileira. Kamila Miyuki Yamashiro, de 24 anos. Ela é professora em uma das mais famosas e tradicionais escola do Japão, a Hakubi Kyoto, que possui filiais no país todo. "Sempre vesti quimono no Brasil, mas não tinha muito conhecimento", conta a jovem, que é também cantora profissional de enka, um estilo musical tradicional do Japão.

Tradição
Kamila chegou ao Japão há sete anos para estudar o idioma e investir na carreira de cantora, mas acabou se dedicando também a aprender como vestir um quimono. "Na cerimônia da maioridade (data especial no Japão, comemorada por jovens que completam 20 anos), as meninas sempre usam o quimono. Foi, então, que descobri essa escola onde estudei por quatro anos", diz Kamila, que obteve um certificado de mais alto grau, o que a permite ensinar. "No começo deste ano, fui nomeada a mais jovem professora da escola Hakubi", revela.

A brasileira chama a atenção dos próprios japoneses quando sai pelas ruas vestida de quimono. "Eles acham bonito e muitos comentam", relata. Kamila explica que a maioria das japonesas, quando precisa vestir um quimono para alguma celebração especial, recorre a profissionais em salões de beleza. Isso porque as várias faixas e fios devem ser bem amarrados para deixar o traje sem nenhuma dobra errada.

Paixão pela música
Apesar de Kamila gostar de dar aulas, a música é sua grande paixão. "Desde pequena, participava de concursos de karaokê no Brasil e meu plano era vir ao Japão para tentar a carreira profissional", conta.

Há sete anos, ela deixou Curitiba (PR) para morar com o pai no país e correr atrás do sonho. Em 2010, começou a ter aulas com o compositor japonês Misaki Sada, incentivador de sua carreira e responsável por quatro canções que estão nos dois álbuns lançados por Kamila. "Sei que é difícil fazer sucesso, mas estou batalhando para isso", diz.

Para isso, já definiu que não volta mais ao Brasil: "quero morar para sempre aqui".

Topo