Moda

'Decidi ser linda': Albina conta como superou preconceito para virar modelo

Cortesia/Vichy
Thando Hopa conta os preconceitos que sofreu na infância e que "decidiu" um dia: "Vou ser estonteantemente linda" imagem: Cortesia/Vichy

Desfilando as roupas de um conhecido estilista da África do Sul, a advogada e modelo sul-africana Thando Hopa, que é albina, é hoje uma referência para crianças vivendo com albinismo no país. Em depoimento à BBC, ela conta como superou o preconceito e discriminação sofridos na infância e "decidiu", um dia: "Vou ser estonteantemente linda".

O albinismo – transtorno genético caracterizado por falta do pigmento melanina na pele, cabelos e olhos – é relativamente raro na maior parte do mundo. Estatisticamente, entre uma em 17 mil e uma em 20 mil pessoas são albinas.

No entanto, índices do transtorno em algumas regiões africanas são bem mais altos. Segundo estimativas, uma em cada 4 mil pessoas na África do Sul seria albina e, na Nigéria, o índice seria de um albino em cada 5 mil habitantes. 

Na Tanzânia, porém, a incidência do transtorno seria bem mais alta. Segundo estudo publicado em 2006 pela revista científica BMC, uma em cada 1.400 pessoas no país seria albina. O cálculo foi feito com base em dados incompletos mas, se for correto, haveria na Tanzânia uma população de mais de 40 milhões de pessoas, cerca de 30 mil albinos. 

Especialistas suspeitam que maiores índices de albinismo estejam associados a uma maior incidência de casamentos consanguíneos em uma população.

Em vários países africanos, pessoas albinas tendem a ser discriminadas pela sociedade e até por suas próprias famílias. Casos de infanticídio de bebês albinos são comuns e muitas famílias deixam de enviar filhos albinos à escola por acreditarem que suas chances de conseguir emprego são mínimas.

Na Tanzânia, onde muitos acreditam que partes de corpos de albinos tragam poder e sorte, pessoas com albinismo são mortas e seus corpos usados em rituais supersticiosos.

Com seu trabalho, Hopa espera combater a ignorância e oferecer um modelo positivo para jovens crescendo com albinismo na África hoje.

A seguir, o depoimento de Hopa:

'Nunca vi uma menina tão linda'
"Desde muito pequena, meus pais sempre se esforçaram para que eu não me sentisse diferente. Mas, infelizmente, quando fui à escola e fui apresentada à sociedade, crianças, em particular, começaram a agir de forma estranha em relação a mim. Me xingavam, não queriam tocar em mim. Depois, comecei a perceber que mesmo pessoas bem mais velhas faziam coisas que eu não entendia. Cuspiam quando eu passava. Me disseram que era para evitar má sorte.

Um dia, aconteceu uma coisa muito estranha. Acho que eu tinha sete anos, estava voltando da escola. Uma mulher parou e começou a gritar: 'Meu Deus, é a filha do diabo, o que ela está fazendo comigo?'

Nunca me senti tão isolada. Naquele momento, me dei conta de que ela estava falando de mim. Aquilo me afetou tão profundamente que quando cheguei em casa disse à minha mãe que não queria mais ir à escola.

Eu não disse por quê. Mas o que mais me incomodava era que eu tinha sido criada com um forte senso de comunidade e eu não entendia como essa comunidade permitia que eu passasse por aquilo e ninguém repreendia essa mulher."

Alguma coisa na criação que Thando Hopa recebeu, no entanto, permitiu que ela resistisse às agressões e insultos.

"Minha mãe nunca disse nada, nunca sentou comigo para me preparar ou dizer coisas do tipo: 'Você vai começar a escola, você tem uma aparência diferente.' Acho que essa foi a forma que eles encontraram de me educar. Não queriam que eu me sentisse diferente.

Quando comecei a perceber, e as inseguranças começaram a aparecer, corri para o meu pai. Chorava, chorava, e dizia: 'Por que não sou igual a todo mundo? 'Ele respondia: 'Mas você é tão linda, nunca vi uma menina tão linda como você!' E eu respondia: 'Não, você está mentindo, você está mentindo!' Mas ele repetia a mesma coisa, continuamente. Nunca parou. E embora eu não estivesse consciente na época, acho que isso me fortaleceu.

Para Hopa, seu sucesso como modelo pode ajudar a diminuir preconceito contra albinos

E minha mãe me comprava as roupas mais lindas. Ela queria que eu me sentisse bonita do lado de fora, para que eu começasse a me sentir bonita de todas as formas. Então, um dia eu decidi que beleza era uma decisão. E eu decidi ser bonita. 'Sou bonita, a despeito do que as pessoas dizem', pensei. Eu estava na universidade. Decidi que ia começar do zero. 'Vou me encontrar.'

E trabalhei em mim mesma, intensivamente. Comecei a ter uma conversa comigo mesma. 'Sabe de uma coisa? Hoje vou ser bonita. Vou ser estonteantemente linda.' No final, isso começou a se refletir na minha autoconfiança."

Glamour albino
Ainda assim, Hopa admite que trabalhar como modelo era algo inimaginável.

"Nunca, jamais, imaginei desfilar em uma passarela. Eu queria ser advogada, achava que o mundo da moda era superficial e que só mulheres pouco inteligentes faziam esse tipo de atividade. Não queria ser associada a esse estilo de vida. Mas é muito fácil formar opiniões a respeito de uma carreira sobre a qual você não sabe absolutamente nada.

E isso foi antes de eu conhecer Gert-Johan Coetzee, um estilista muito conhecido na África do Sul. Eu estava andando em Johannesburgo – e confesso que aquele não era meu melhor dia – quando um homem se aproximou e disse: 'Oi! Você gostaria de fazer uma sessão de fotos?' Respondi que não sabia.

Ele percebeu que eu estava muito relutante, mas me deu um cartão. Mais tarde, quase jogando o cartão fora, contei à minha irmã, em tom de piada, sobre o convite. Eu disse: 'Imagine, de jeito nenhum eu faria isso!' Minha irmã disse que eu tinha uma cabeça muito estreita. 'Depois de tudo o que você passou, essa é sua oportunidade de mudar a percepção das pessoas sobre albinismo e de mudar a definição de beleza'."

Hopa conta que resolveu ligar para Coetzee, e assim tudo começou.

"Desfilo peças de alta-costura, trabalho predominantemente com ele. Ele tem um estilo muito glamouroso e extravagante"

Hopa explica que a atividade oferece uma plataforma para o trabalho de conscientização da população.

"Nosso slogan é A different shade of normal (em tradução livre, um tom diferente de normal). Ele permite que falemos sobre outras questões associadas ao albinismo. Coisas como [problemas de] pele e o nistagmo (movimentos oscilatórios e rotatóriosdos olhos) que afeta a maioria das pessoas com albinismo, e que me atrasou muito nos estudos.

[O nistagmo] é uma coisa estranha que acontece com os meus olhos, eles se movem muito porque estão tentando focar em alguma coisa. Isso está associado ao fato de eu ter uma miopia muito forte. Não pode ser resolvido com óculos, então não posso dirigir. Se eu não tivesse acessórios visuais na escola, se meus pais não tivessem feito uma pesquisa para entender o que estava acontecendo, eu não teria completado meus estudos.

[Na passarela] não consigo ver a profundidade dos degraus. Isso me deixa nervosa, porque tenho de sentir os degraus.

Hopa conta que o retorno que recebe do público é muito positivo. Como o comentário a seguir, que ouviu de uma mãe:

"Quando estou assistindo TV com minha filha pequena, digo a ela: 'Olha aquela moça, você está vendo só? Você pode ser como ela'."

"Me contam que me tornei uma referência positiva para seus filhos e que eu sou para eles uma prova de que podem superar suas circunstâncias", diz a modelo.

Topo