Moda

Semana de moda de NY se veste de vermelho contra doenças cardíacas

Elena Moreno.

Nova York, 13 fev (EFE).- A semana de moda de Nova York começou nesta sexta-feira (13) sua edição Outono-Inverno 2009 com o desfile The Heart Truth's Red Dress Collection 2009, parte de uma campanha para estimular as mulheres a prevenir as doenças do coração.

FOTOS: Veja looks do desfile The Heart Truth's Red Dress Collection

AFP

AFP

Famosas se uniram na passarela da semana de NY para alertar mulheres sobre os riscos das doenças no coração



Por uma boa causa, jornalistas, modelos, atletas e atrizes como Patricia Arquette (da série "Medium") e Lynda Carter (a Mulher-Maravilha dos anos 80) desfilaram roupas vermelhas assinadas por estilistas como Vera Wang, Carolina Herrera e Nicole Miller.

"Quero lembrá-los de que as doenças cardíacas matam as mulheres mais do que qualquer câncer. É um dado que eu não conhecia e é bom saber dele para nos mantermos saudáveis e cuidarmos dos outros, sobretudo a mulher latina, que se preocupa com família. Se uma pessoa não está bem, não pode cuidar de ninguém", disse à Agência Efe a ex-modelo cubana Daisy Fuentes, pouco antes de desfilar com uma criação de Pamela Rolland.

Os organizadores da campanha, direcionada a mulheres de 40 a 60 anos, as que mais sofrem de doenças cardíacas, aproveitaram a visibilidade da semana de moda nova-iorquina para lançar a mensagem de que "nunca é cedo nem tarde demais" para evitar riscos.

Nos espaços reservados para o evento, que tem como sede o famoso Bryant Park, a poucos metros da Times Square, serão apresentadas, até 20 de fevereiro, as coleções de 64 estilistas, dentre eles os brasileiros Francisco Costa (Calvin Klein), Carlos Miele e Alexandre Herchcovitch.

Este ano, no entanto, os desfiles estarão marcados pela austeridade, dada a crise econômica mundial. E um dos primeiros apresentar sua coleção foi o cubano Alvin Valley, que mostrou roupas sóbrias, inspiradas na mulher britânica das décadas de 30 e 40.

Abusando das cores neutras, dos beges e dos tons escuros, pontuados por peças em verde-água, o estilista levou à passarela criações em chifon, seda e gaze, que tiveram como destaque calças impecavelmente cortadas e blusas de frente única.

"É preciso ser persistente e ter muita criatividade para chegar à clientela, porque as pessoas estão com muito medo de investir seu dinheiro, embora não o tenham perdido", disse Valley, segundo quem suas roupas agora estão em menos pontos de venda, embora já tenham chegado a Londres e aportarão em Dubai nas próximas semanas.

Outro estilista que apresentou sua coleção prêt-à-porter nesta sexta-feira foi o francês Max Azria, da grife BCBG.

"Nesta coleção, vemos uma silhueta feminina completamente nova. Minha inspiração foi a mulher européia dos anos 20 e 30 adaptada a um estilo futurista", disse à Efe o francês, que definiu sua apresentação como "muito geométrica e drapeada", com um grande mix de tecidos.

Um estreante na passarela nova-iorquina, mas não no Bryant Park, o espanhol David Delfín apresenta ainda hoje a coleção "Revelations", com 36 desenhos, 20 deles femininos, dedicados à fotógrafa americana Diane Arbus (1923-1971).

"É uma de minhas artistas favoritas. Foi o motor de todo este trabalho, porque me sinto muito identificado com seu pensamento e sua visão da realidade", declarou.

Ao longo da próxima semana, também se apresentarão em Nova York nomes já consagrados do mundo da moda, como Carolina Herrera, Narciso Rodríguez, Donna Karan e Ralph Lauren.

Os brasileiros, por sua vez, desfilarão nos dias 16 (Carlos Miele), 18 (Alexandre Herchcovitch) e 19 (Francisco Costa, pela Calvin Klein).
Topo