Moda

John Galliano acusa antigo advogado de desviar 3 milhões de euros

AP
John Galliano chega a delegacia acompanhado do então advogado Stephane Zerbib para prestar depoimento em Paris (28/02/2011) imagem: AP

Paris, 6 mai (EFE).- O estilista britânico John Galliano denunciou seu antigo advogado, Stéphane Zerbib, por "abuso de confiança grave", acusando-o de desvio de cerca de 3 milhões de euros (equivalente a US$ 4,3 milhões) nos últimos dois anos, confirmou nesta sexta-feira (6) à Agência Efe seu novo gabinete de defesa.

Galliano, 50, que no próximo dia 12 de maio será informado quando terá de responder perante à Justiça francesa sobre as duas denúncias por injúrias racistas que pesam sobre ele, demitiu Zerbib há semanas e registrou sua denúncia no dia 13 de abril perante o Tribunal de Paris.

Zerbib era responsável pela gestão da empresa criada por Galliano para explorar os direitos de sua imagem e de sua obra frente suas atividades para Christian Dior, marca para a qual trabalhava como diretor artístico.

Segundo a emissora "Europe 1", quando o estilista retomou o controle direto de suas contas, em fevereiro, e repassou suas operações ao longo de 2010 descobriu supostamente "diversas transferências" efetuadas em benefício de seu advogado sem relação com a atividade econômica da sociedade.

"Galliano deveria conservar seu sangue frio na audiência da semana que vem, em vez de buscar denúncias expiatórias", afirmou Zerbib, que segundo seu gabinete de advogados, vai denunciar o estilista por calúnia e difamação.

O caso se une ao que tem pendente por "injúrias públicas contra particulares por sua origem, pertinência ou não pertinência a uma religião, raça ou etnia, proferidas contra três vítimas identificadas" e pelas quais poderia ser condenado a até seis meses de prisão e pagar uma multa de 22,5 mil euros.

No dia 24 de fevereiro, um casal lhe denunciou por insultos antissemitas e racistas no terraço do bar La Perle, no bairro do Marais. Depois, outra mulher o denunciou alegando ter sido agredida de maneira similar em outubro do ano passado nesse mesmo bar da capital, próximo ao domicílio do britânico.

A marca Christian Dior, que em um princípio suspendeu Galliano de suas funções como diretor artístico, iniciou os trâmites de sua demissão assim que o jornal britânico "The Sun" divulgou um vídeo no qual o estilista, totalmente alcoolizado, dizia "adorar Hitler" e elogiava suas práticas nazistas.

Um mês e meio depois, Galliano foi demitido também da marca que leva seu nome e é controlada 91% pela Christian Dior.

Topo