Moda

Desfiles de alta-costura em Paris lembram a Idade Média

Martin Bureau/AFP
Em seu desfile, Franck Sorbier relembrou a Baixa Idade Média nos jardins da embaixada da Suíça, imagem: Martin Bureau/AFP

De Paris

Os vestidos de princesa da grife Elie Saab, as calças jeans de Martin Margiela, os damascos de Valentino e os casacos de trovadores medievais de Franck Sorbier definiram nesta quarta-feira (3) o tom do penúltimo dia da semana de alta costura de Paris.

O estilista libanês Elie Saab esbanjou pedrarias e lantejoulas em uma coleção de alta-costura para o outono-inverno que, sob o título "Cérémonie royale" ("Cerimônia real"), recordou o imaginário das princesas.

Os vestidos monocromáticos desceram longos com cadência ligeira sob um cinto fino, abriram-se nas costas se ajustando ao pescoço ou arrastaram as caudas no chão.

A musselina, o tule e o georgette refletiram a seda sob bordados de flor e em detalhes geométricos nas partes destacadas das prendas. Alças finas se alargaram com a força da gravidade em sutiãs de forma singela, com decotes em "v" ou desapareceram em vestidos tomara-que-caia.

A Maison Martin Margiela se atreveu a desfilar o jeans em sua segunda coleção como membro permanente do clube da alta-costura de Paris, em que anulou a personalidade das modelos com máscaras que tapavam todo o rosto.

As botas com esporas apareceram em alguns looks de corte urbano atual, que deram passagem a uma explosão de flores, em bordados de inspiração oriental e em reconstruções de tamanho real que pendiam sob os jaquetões.

As notas de "Tubular Bells", de Mike Oldfield, trilha sonora de "O Exorcista", mergulharam o público de Valentino em uma atmosfera misteriosa em sala decorada com chifres de veados. O damasco e os tecidos ingleses conviveram em combinações originais em modelos em tons cobre e terra. Vários vestidos vieram curtos na frente e longos atrás em cortes geométricos, enquanto as camadas e as peles foram referências medievais, em uma coleção na qual destacaram os bordados.

Franck Sorbier relembrou a Baixa Idade Média nos jardins da embaixada da Suíça, junto à esplanada dos Inválidos. Trovadores, menestréis, donzelas, cavaleiros, escudeiros e pajens se fizeram presentes em uma coleção que retomou as flores da caligrafia dos amanuenses nos brocados e trabalhou os cortes de prendas do passado.

Topo