Moda

Segundo dia da SPFW começa com chamativa discrição; veja os destaques

Alexandre Schneider/UOL
LAB desfila coleção na SPFW N42 imagem: Alexandre Schneider/UOL

A São Paulo Fashion Week abriu sua 42ª edição de maneira discreta. A ausência em seu calendário de grandes marcas como Ellus, Colcci e Cavalera, e a redução a uma única sala de desfiles no espaço montado no Parque do Ibirapuera marcam esta temporada.

A programação desta segunda-feira (24) foi aberta no MASP com o desfile da À La Garçonne, de Alexandre Herchcovitch, estilista que sempre gera grandes expectativas do público. A marca apresentou uma coleção descontraída, com trabalho marcado pelo desenvolvimento de uma criação livre e roupas inspiradas no estilo da rua e na estética esportiva.

À La Garçonne tem o espírito da experimentação. O que pôde ser visto no abrigo de neoprene branco com pedaços de guipure provenientes de um vestido de 1800 e nos impressos florais em algodão suíço que rompiam sua delicadeza com jaquetas camufladas de inspiração militar.

O segundo desfile foi de Reinaldo Lourenço. Inspirado na Suécia, apresentou vestidos de festa trabalhados com fitas em cobre e franjas sobrepostas a tules, marca registrada da casa.

A tarde veio a apresentação de Patrícia Viera e, como não poderia faltar, o destaque foi o couro. O material concentra as criações da estilista de forma feminina, com peles porosas e cortes a laser de impressos florais e geométricos.

Fechando o dia, foi à passarela a estreante LAB, do rapper Emicida e de seu irmão e músico e produtor Evandro Fiotti. A marca levou modelos negros em sua maioria e muita atitude. A direção criativa foi do consagrado estilista João Pimenta, que apresentou um projeto de ares de rua, com roupas esportivas extra grandes de ponto de algodão misturadas com peças de alfaiataria.

Topo