Desfiles

André Lima encerra SPFW com humor e sensualidade com personalidade

CAROLINA VASONE
Do prédio da Bienal

Faz muitos verões que a sensualidade na moda tomou um rumo menos escancarado, diluída em volumes mais amplos, mesmo quando as pernas estão todas à mostra, assim como ombros e colo. No verão de André Lima não. Sem medo de ser sexy, sem medo das cores, do exagero, típico de sua personalidade de moda, o criador aposta na silhueta justa e curta, sim senhor. Mas com humor, geometria e bom corte garante a sensualidade sem vulgaridade, mas com muita diversão.

Assim foi o desfile que encerrou esta edição do São Paulo Fashion Week. Ao som de "Fera Ferida", os vestidos curtinhos colados no corpo, muitos tomara-que-caia, ganharam assimetria com recortes pontudos no busto e na barra. Drapeados e pregueados, presos nas peças, criavam textura, mais que volume. O volume apareceu bem localizado, tanto nos laços que às vezes pareciam grandes fuxicos e enfeitavam barras e ombros quanto nos rabos de tule plissados acoplados às silhuetas ajustadíssimas.

A geometria apareceu tanto nos recortes quanto nas estampas, sempre muito coloridas e intercaladas com combinações de branco e preto. Em alguns momentos, os paletós complementavam os looks.

Topo