Moda

Moda rural de João Pimenta é destaque do 4º dia de Casa de Criadores

VITOR ANGELO

Colaboração para o UOL

O estilista João Pimenta faz a moda masculina galopar a passos largos em sua coleção Inverno 2010, apresentada em desfile na noite desta quarta-feira (25), no Shopping Frei Caneca, dentro da programação da Casa de Criadores. A programação foi seguida por Milena Hamani, Ronaldo Silvestre, No Hay Banda, R. Rosner e Urussai.

  • Marcelo Soubhia/AgFotosite/UOL

    O estilista João Pimenta investiu nos tons terrosos para criar sua coleção Inverno 2010 de inspiração rural


O estilista se inspirou nos vaqueiros nordestinos e foi o destaque desse quarto dia de evento com uma coleção sofisticada e rural. Como havia alertado o editor de moda da Folha de S. Paulo, Alcino Leite Neto, em seu blog Última Moda, "depois da [coleção Verão 2010 da] Chanel, podemos falar de 'moda rural' sem medo", referindo-se ao excessivo e desgastante uso da palavra urbana nas inspirações dos estilistas nacionais e internacionais.

Um detalhe importante para além de todo o provincianismo, João Pimenta já tem feito há três coleções essa tal moda rural, que, agora, parece entrar em voga. De origem humilde e interiorana, o estilista olhou para a sua essência para poder transcender questões como masculino e feminino, e pobre e rico.

Em cima da oposição masculino e feminino, Pimenta utiliza o viés, o babado e uma espécie de vestido avental - elementos femininos - , construídos em linho tingido para dar aspecto de couro rústico, o que acaba se revelando um look extremamente viril. Também muito masculina é a cartela de cores feita de inúmeros tons de marrom para dar o aspecto de uma só cor, a do couro. Além disso, a camurça e o próprio couro aparecem como detalhes na roupa e nos acessórios em um interessante "trompe l'oeil", técnica artística que cria ilusão de ótica a partir de perspectiva.

Sobre a oposição rico e pobre, ele faz um sofisticado jogo de proporções em peças que lembram o gibão dos nordestinos, peça simples associada à falta de requinte. O estilista aproxima a cava da manga para mais perto do pescoço e inverte a peça, a frente fica nas costas e vice-versa, sem nenhum erro de modelagem. Essas peças são a chave de sua coleção e do pensamento rural que tem dominado o estilista. São esses looks uma espécie de metáfora para que João Pimenta inverta o jogo e prove que a moda rural pode ser tão ou mais sofisticada que a urbana.

A seguir no lineup da noite, a estilista Milena Hamani inspirou-se em Toulouse-Lautrec para apresentar sua moda praia com muitas boas ideias, como um maiô com mangas compridas. Muito interessantes e graciosos eram os minivestidos feitos em tricô nas cores rosa e cru. No final, os looks pretos fazem a coleção perder força e a torna repetitiva.

Ronaldo Silvestre fez um jogo entre tecidos fluidos e rígidos para se referir à famosa espiã Mata Hari. A parte romântica com as leggings florais é a melhor do desfile; a sexy não funcionou muito bem.

O trio da marca No Hay Banda, Claudia Mine, Bruna Santini e Juliana Magro, foi buscar no ciclo da seda o mote para seu Inverno 2010. O destaques são as peças em crochê na cor creme.

O ponto de partida para a coleção da R. Rosner foi a avó do estilista, dona Lili. As estampas nos vestidos acinturados se destacaram, apesar da coleção na passarela parecer um pouco confusa.

Encerrando a noite, a Urussai entrou no universo das mulheres da máfia japonesa Yakuza e chamou seis artistas para criar estampas para a marca. Catarina Gushiken continua fazendo uma interessante pesquisa com as mangás, além de Marina Dias, diretora do desfile, injetar dramaticidade à cena. A pouca quantidade de peças atrapalha a narrativa da apresentação, já que sobrecarrega por demais os looks com um excesso de informação que poderia estar mais espalhada se mais peças fossem desfiladas.

Topo