Moda

Jaquetas esportivas em couro ou nylon estão em alta no inverno

Uma das peças mais clássicas do guarda-roupa masculino é a jaqueta. Herança de uniformes militares, ela atravessou quase 100 anos ganhando novos materiais e versões. Para este inverno, os modelos bomber e biker, além das jaquetas de nylon e as com efeito estufado são as apostas mais quentes desta temporada.

A jaqueta de aviador, também conhecida como bomber (de bombardeiro, em inglês) foi criada em 1917 por Leslie Irwin e adotada pela Força Aérea e Marinha dos Estados Unidos. É caracterizada pelos ajustes nos punhos e na cintura e fechada por zíper. A gola pode ser careca, com forração de pelo ou com lapela. Desde então ganhou inúmeros fãs que perduram até hoje.

  • Divulgação

    Jaqueta preta estilo bomber em nylon (R$ 419)

Entre as várias versões propostas para o inverno, temos as tradicionais em couro, com desenho bem próximos aos originais. As cores tradicionais, como preto e marrom, são as mais indicadas para o modelo bomber. Detalhes como golas ou forração em pele valorizam a peça.

As jaquetas de nylon prometem ser a sensação deste inverno. O nylon é um tecido sintético, criado em 1935 por Wallace Carothers, da fábrica americana da Dupont. Suas qualidades são leveza, maleabilidade, resistência à chuva e umidade. Versátil, foi empregado tanto em meias femininas, quanto em paraquedas. Não há nenhuma confirmação oficial, mas o nome do tecido teria sido uma mistura das iniciais de Nova York (NY) com a primeira sílaba de Londres (LON).

O material aparece principalmente em jaquetas tipo biker (ciclista, em inglês), com zíper frontal e gola com acabamento, mas sem os punhos canelados do modelo bomber.

  • Divulgação

    Jaqueta biker de couro marrom da Side Walk (R$ 990)

As peças com capuz também estão em alta e são ideais não só para dias chuvosos, mas para climas muito úmidos, especialmente à noite. Os modelos atuais, que antigamente eram chamados de japona, podem ser bem leves, quase transparentes, ou pesados, com forros ou dupla face (que podem ser usados também do avesso).

As jaquetas mais esportivas têm enchimento e ficam um pouco estufadas, como uma versão urbana dos modelos usados nas pistas de esqui. Podem vir em cores fortes como vermelho e amarelo, ou mais sóbrias, em cinza, preto e azul marinho.

Além do nylon, tem-se materiais altamente tecnológicos desenvolvidos para suportar baixíssimas temperaturas para prática de esportes em neve, por exemplo. O Mercurial da marca The North Face, por exemplo, utiliza um sistema que se adapta às mudanças climáticas, quando usadode um lado (prateado) reflete os raios solares e aumenta a respirabilidade do corpo, quando usado do outro, absorve os raios solares e aumenta a temperatura corporal.

  • Divulgação

    Jaqueta tecnológica dupla face da The North Face (R$ 999)

Apesar dos modelos bomber e biker serem hit deste inverno, peças tradicionais em jeans ou sarja continuam em alta quando o assunto são jaquetas. Elas podem ser usadas quase o ano todo e, para temperaturas mais baixas, dão conta do recado, sobrepostas a malhas de lã ou camisas de flanela.

Por falar em combinações, independente do modelo escolhido, as jaquetas têm uma pegada casual e esportiva. Ficam bem com calça jeans ou de veludo, com camiseta, pólo, camisa xadrez ou lisa. Em ambientes de trabalho casual, são ótimas opções, principalmente os modelos em couro. As de nylon devem ser deixadas para o uso informal, como uma ida ao cinema ou bar.

Colaborou nesta coluna Paula Baraldi

Topo