Moda

Basso & Brooke mantêm a estampa digital e o colorido forte, com uma dose de romantismo

Getty Images
Os estilitas da Basso & Brooke após desfile da coleção primavera-verão na Semana da Moda de Londres, em 19/09/2010 imagem: Getty Images

MARIA EUGENIA TOMAZINI

Colaboração para o UOL, de Londres

Basso & Brooke amadureceu. O duo anglo-brasileiro formado por Christian Brooke e Bruno Basso apresentou uma de suas melhores coleções dos últimos dois anos e, certamente, caiu nas graças de crítica e compradores.

Numa coleção mais concisa, a marca continua colorida, embora menos chamativa. Da intensa combinação de cores e estampas, sempre arriscada, os designers conseguem extrair harmonia.

Marca registrada da dupla, a estampa digital está impressa em seda e chiffon, tecidos próprios para a confecção de peça femininas como blouses - um dos must have da temporada. Com saias rodadas na metade da coxa, o tom sensual do look fica completo.

Ao final do desfile, aproveitamos para um bate-papo com o duo:

UOL Estilo - Quais foram as referências para essa coleção?

Bruno: Temos lido muitos clássicos ultimamente, mas acho que fizemos releituras de coleções passadas e, de certa forma, usamos nós mesmos como tema.

Christian: É uma coleção romântica e jovem. Ficamos entediados das estampas formais. É como se tivéssemos desestruturado o nosso trabalho antigo e, a partir daí, criado essa nova coleção.

UOL Estilo - A estampa digital continua fortíssima nessa temporada e vocês foram um dos primeiros a usar o recurso – vão continuar empregando-o?

Bruno e Christian: É nossa marca. São 60 milhões de cores a nossa disposição para brincar à vontade, sem a sujeiras da tinta ‘de verdade’. É um sistema muito técnico, que proporciona controle de absolutamente tudo, embora seja menos experimental. Mas a infinidades de cores, tonalidades e possibilidades tornou a estampa digital tornou fundamental para nosso trabalho.

UOL Estilo - Algum projeto com o Brasil?

Bruno: Ainda nada. Adoraríamos trabalhar com o país ou alguma marca brasileira, mas, por enquanto, ainda não temos nada em vista.

Topo