Moda

Piadista, Alessa abre o Fashion Rio sem fazer jus à moda carioca

CAROLINA VASONE

Enviada especial ao Rio

A carioca Alessa já fez coleções interessantes, como a do Verão 2006, quando abriu a própria casa e ateliê para receber os convidados numa performance que mostrava suas criações. A estilista sempre gostou de fazer uma graça e começou sua carreira de estilista vendendo calcinhas bonitinhas que causavam verdadeiro frisson entre as mulheres do Rio e de São Paulo. As camisetas com frases divertidas, com o estilo publicitário vindo da profissão de Alessa, também faziam parte de sua marca-registrada.

Fazer piada e ser chique ao mesmo tempo, no entanto, é tarefa para pouquíssimos. Bom humor e elegância, sim, não só podem como devem andar juntos, e isso acontece com mais facilidade, já que no segundo caso há mais possibilidades de sutilezas. No caso de Alessa, há alguns acertos como o correto macacão de paetês rosa velho que abre o desfile, um vestido longo com elegante combinação de marrom, preto e branco, com babado no decote e cintura marcada, acompanhado de estampa engraçadinha de doce e um macacão preto com estampa de coração flechado, com boa modelagem. No restante das peças, a pelúcia com aspecto gasto em casacos transpassados parecia a de roupões velhos desses que se usa em casa. A combinação de cores também resultou pesada e as camisetas com interjeições como "humm", um pouco sem graça. Na modelagem, nada que valorizasse a mulher, mesmo o tipo da moda de Alessa, mais desencanada, divertida, porém vaidosa e com vontade de ficar mais bonita e/ou interessante.

 

Topo