Moda

Ratos, pássaros e besouros mortos viram peça de moda e ainda causam polêmica

Ilana Rehavia/UOL
Modelo exibe chapéu de pássaro criado pelo estudante Alexander Huck (à dir.) na semana de Londres imagem: Ilana Rehavia/UOL

ILANA REHAVIA

Colaboração para o UOL, em Londres

Ratos, passarinhos, gatos e besouros não são as matérias-primas mais comuns de joias, bijuterias e objetos de decoração. Mas para uma nova geração de taxidermistas, animais são de tamanha beleza que, mesmo depois de mortos, devem não só ser preservados, mas exibidos como acessórios de moda.

“Eu adoro animais e acho que eles são muito preciosos. Os humanos geralmente não os tratam com o respeito que merecem”, diz a neozelandesa Julia deVille. “Eu os adorno com metais e pedras preciosas para destacar o valor da vida de todos os seres vivos”, explica. As peças de sua ousada marca DisceMori incluem um porquinho incrustado de cristais, um broche feito com um pássaro e um tapete de gato.

 

A designer inglesa Kate Gilliand, que cria bijuterias usando ratos, sapos e pássaros, é fascinada pelo conceito de vida e de morte.  “Sempre fui intrigada por relicários, pela celebração tanto da vida quanto da morte e por culturas que acreditam que a morte seja o começo de uma jornada”, diz.

A REINVENÇÃO

Taxidermia - o termo vem do grego e significa "dar forma à pele"- é a arte de montar ou reproduzir animais para exibição ou estudo. É uma prática antiga, que, nas últimas décadas, ficou relegada a museus e lojas de antiguidades, associada a um certo mal gosto. Nos últimos anos, encontrou ainda movimentos de combate ao uso de matérias-primas de origem animal.

Ao que parece, esse cenário mudou. Com os olhos da moda voltados para o passado e a celebração de tudo o que é “vintage”, a taxidermia também voltou a despertar interesse.

Durante a última edição da semana de moda de Londres, o estudante de moda britânico Alexander Huck chamou a atenção dos fotógrafos ao passear pelas instalações do evento acompanhado de uma modelo com um enorme adereço: um pássaro na cabeça, criado por ele.

  • Divulgação

    Broche de passarinho feito por Julia deVille

Exemplo da próxima leva de estilistas do país, ele planeja continuar usando este tipo de matéria-prima. “Eu adoro a ideia de usar taxidermia no meu trabalho. Ela tem um efeito que apela às pessoas, chocando ou inspirando”, diz Huck.

O que essa nova geração de taxidermistas tem em comum é a preocupação em não matar animais especialmente para seus produtos. 

“Todos os bichos que uso morreram de causas naturais. Sou vegetariana e ativista dos direitos dos animais. É importante para mim que nada seja morto em nome do meu trabalho”, diz Julia deVille, que recebe de fazendeiros doações de animais natimortos.

Kate Gilliand também ganha animais que amigos e conhecidos encontraram mortos. Curiosamente, as doações geralmente chegam pelo correio. “Neste momento, tenho um pássaro chapim-rabilongo e dois pequenos musaranhos no meu estúdio”, conta. Ela também se aproveita de animais encontrados na vizinhança. “Moldei apenas as garras de um pássaro que encontrei, porque o gato do vizinho havia comido o resto e deixado apenas essa parte.”

MÉTODOS

Se a ética por trás do trabalho vem evoluindo, o processo de criação pouco mudou nos últimos séculos - e é visto por muitos como crueldade, mesmo sendo aplicado em animais mortos.

  • Pulseira com camundongo da marca Amanda's Autopsies

A estilista britânica Amanda Sutton usa um método bastante tradicional para criar pulseiras, broches e esculturas com ratos, coelhos e gatos. “Retiro a pele do animal cuidadosamente com um bisturi e trato-a com uma substância chamada bórax, que limpa, seca e previne bactérias. A pele é então colocada sobre um molde de lã que eu preparo antes no mesmo tamanho e forma do animal. Lá, eu costuro a pele, adiciono olhos de vidro, dou os toques finais e deixo secar”, explica Amanda.

Já Kate Gilliand prefere usar um técnica diferente, e um pouco mais moderna, que consiste em secar os animais no freezer, preservando-os quase exatamente como foram encontrados. Ela também usa banhos de prata, criando assim pingentes de crânio de passarinho ou anéis com garras. Os itens fazem parte das coleções de sua grife, The Weird and The Wonderful (O Estranho e o Maravilhoso).

Quando o animal em questão é um inseto, o processo precisa levar em conta a delicadeza de sua estrutura e ser ainda mais cuidadoso. A estilista Rachel Boston se especializou em trabalhar com besouros quando se formou na conceituada universidade de moda Central Saint Martins, em Londres.

Ela usa asas de besouro em pulseiras e anéis, obtendo um interessante efeito multicor. Ela também molda esses animais em metais, como prata.

Para Rachel, o maior desafio foi mesmo vencer o próprio medo. “Apesar de ser fascinada por eles em um nível estético e entomológico, fiquei horrorizada na primeira vez em que precisei pegar em um besouro e cortá-lo em camadas para moldar. Eu usei máscara, macacão e luvas e tomei três banhos quando cheguei em casa, porque estava convencida de que tinha tripas de besouro no meu cabelo”, lembra ela, que hoje já manuseia os insetos sem drama.

  • Divulgação

    Acessório feito com partes de um besouro, de Rachel Boston

E se às vezes os próprios taxidermistas têm suas reservas iniciais, para o público não é diferente. Definitivamente, essas não são peças para todos os gostos.

DIREITOS DOS ANIMAIS

O Peta, grupo de defesa dos direitos dos animais, critica a prática mesmo quando os bichos utilizados morreram de causas naturais. “Esses acessórios são criados para chocar e mostram um tremendo desrespeito aos animais que morreram ou foram mortos para eles. Nós não podemos imaginar ninguém impressionado por uma pessoa que chega a um encontro usando um sapo morto ou um rato desmembrado como um broche de lapela.  Esses estilistas deveriam usar a imaginação, a criatividade e a bondade para criar acessórios que honram a beleza de animais vivos, sem machucá-los”, afirmou a organização por meio de um comunicado

A estilista Amanda Sutton conta que já recebeu e-mails acusando-a de “não ter alma” e de ser “cruel e sem coração”. Já para Kate Gilliand, “um dos maiores desafios é mudar a percepção das pessoas". "Sim, é um animal morto, mas também pode ser belo”, diz Kate.

Os estilistas dizem, porém, que, em geral, as reações são positivas. “Já fiz apresentações de taxidermia ao vivo para grupos. As pessoas geralmente ficam fascinadas e fazem muitas perguntas”, diz Amanda. Para Julia deVille, a impressão sobre o tema muda depois que se tem contato com a obra. Ela diz que muitas pessoas ficam chocadas com a “fragilidade e beleza” de suas peças, mesmo quando, antes, a ideia de animais como objetos as assustava.

Topo