Moda

Saiba quais são os maiores pecados na hora de se vestir e como acertar

Arte/UOL
Se você não quer se parecer com Jece Valadão em "Os Cafajestes" (1962), não tem porque usar a camisa aberta com cordões de ouro e peito peludo aparecendo. Você acha que vai conquistar alguém vestido assim em pleno século 21? imagem: Arte/UOL

Ricardo Oliveros

Do UOL, em São Paulo

Os erros mais comuns que os homens cometem em termos de estilo vão desde usar o tamanho errado da roupa até insistir em peças consideradas cafonas não apenas pelos consultores de estilo, mas pela maioria das pessoas.

A coluna Hora H desta semana identifica quais são estes deslizes e ensina o que fazer para acertar.

1. Terno maior que o defunto
Você já deve ter escutado esta frase popular, usada para justificar (de maneira jocosa) o uso de uma peça num tamanho errado por falta de outra. Em termos de estilo, usar um terno em número maior dá uma impressão de desleixo ou de que você teve de pedir o conjunto emprestado de alguém. Diferentemente do que muitos homens acreditam, roupa grande não é mais confortável.

Acerte: a numeração de terno é diferente, porque prevê tamanhos intermediários como 50L (comprimento longo) ou 50M (comprimento médio), por exemplo. Se você não sabe o tamanho certo, a medida correta sai do seu ombro, ponto onde o paletó deve se ajustar com exatidão. As outras partes, como manga e comprimento, podem ser acertados.

2. Terno com relógio esportivo
Muitos homens não veem problemas em usar relógio esportivo com terno. A questão é que como estes modelos são maiores do que os formais e não se encaixam sob a manga da camisa e do paletó, o que fica bem deselegante.

Acerte: se o seu ambiente de trabalho exige roupas formais, opte por relógios mais simples, com pulseira de couro ou metal.

3. Gravata de palhaço
A gravata curta ou comprida demais é um erro mais comuns do que se imagina, já que com o paletó fechado ninguém percebe o comprimento da sua gravata.

Acerte: a ponta da gravata deve ficar na altura do cinto. Se, quando fizer o nó, ela ficar acima ou abaixo, o comprimento não está correto.

4. Camiseta “olha como eu sou fortinho”
Você foi à academia, malhou, suou e ficou com vontade de mostrar o resultado? Não é uma camiseta apertada a melhor forma de fazer isso. Até os nomes não ajudam muito: regata “machão” para as sem mangas e “baby look” (visual de bebê) para as apertadas.

Acerte: com a numeração de camisetas indo até XXL (extra grande), nem o Arnold Schwarzenegger em seus tempos de “Exterminador do Futuro” (1984) correu o risco de usar camiseta apertada. A regata dá para usar na academia, na praia ou piscina.

5. Camisa de cafajeste
Se você não quer se parecer com Jece Valadão em “Os Cafajestes” (1962), não tem porque usar a camisa aberta com cordões de ouro e peito peludo aparecendo. Você acha que vai conquistar alguém vestindo-se assim em pleno século 21?

Acerte: em ambientes de trabalho, o ideal é deixar desabotoado somente o botão da gola. Em situações casuais, pode deixar no máximo mais dois botões abertos, além do da gola.

6. Bainha da calça por fazer
É impressionante a quantidade de homens que não ligam para a barra da calça e ficam com aquelas dobras desnecessárias na canela. Se você for baixinho, a situação fica pior, porque vai dar a impressão de que suas pernas são ainda mais curtas

Acerte: para a maioria dos casos, a barra da calça deve encostar na linha inicial do cadarço e estar um pouco acima da linha do salto do sapato. Para os mais modernos, que querem aderir à barra de calça mais curta, melhor enrolar a barra. 

7. Meia branca de Michael Jackson
Se você não é médico ou enfermeiro, e nem ganha a vida fazendo imitação de Michael Jackson, pode esquecer a meia branca: ela não serve nem para composições informais e muito menos para as formais.

Acerte: meia branca só deve ser usada em atividades esportivas. No mais, combine a cor da meia com a da calça.

8. Tênis de academia para sair
É comum de se ver à noite: o homem está com visual todo certo, de camisa polo, calça jeans, uma jaqueta. Mas, quando você olha para baixo, vê um par daqueles tênis de ginástica, bem tecnológico com sistema de amortecimento nas solas. Saiba que você pode estragar seu tênis de ginástica usando-o em lugares errados.

Acerte: para quem quer usar um tênis para sair, prefira os modelos casuais do tipo “flat” (baixo) ou mesmo os clássicos All Star e os “sneakers” com suas reedições de tênis do passado.

9. Mancha de suor debaixo do braço
Tudo bem que quando o clima esquenta no Brasil fica difícil manter-se elegante e seco, mas com tantas marcas de antiperspirantes e até técnicas como o botox, ninguém precisa sofrer com aquelas “pizzas” debaixo dos braços.

Acerte: caso sofra de hiperidrose (secreção excessiva de suor), é bom consultar um dermatologista. Se não, use tecidos naturais, que permitem que sua pele respire.

10. Calça capri: nem bermuda, nem calça
Peças de roupa que não são nem uma coisa e nem outra, geralmente, não dão muito certo. É o caso do comprimento capri, que é mais longo que uma bermuda, mas mais curto que uma calça. Todavia é uma unanimidade: não fica bem em nenhum homem.

Acerte: para homens mais jovens, está na moda usar a barra da calça mais curta, mas não precisa apelar: enrole um pouco a barra e está tudo certo. 

11. Sapatênis: um sucesso nem sempre é bacana
Eles surgiram na onda do "casual friday", ou seja, a adoção por parte de algumas empresas da sexta-feira "casual", em que os funcionários podem dispensar terno e gravata. Ele é um tipo híbrido, que se caracteriza por não ser nem tão esportivo quanto um tênis e nem tão formal quanto um sapato. Alheios à crítica especializada de moda que os acha definitivamente cafonas, consumidores fazem deles um sucesso de vendas. 

Acerte: os tempos mudaram e os tênis casuais são bem aceitos em vários lugares de trabalho. Muito se deve à marca Osklen que fez um modelo “flat” (baixo) e se tornou uma opção para os que gostavam dos sapatênis.

12. Pochete virou uma lenda urbana
Não é possível acreditar que ainda exista algum homem que use uma pochete. Outra peça híbrida, que fica entre a carteira e a bolsa e é usada presa à cintura.

Acerte: Não use! Caso precise carregar coisas que não cabem na sua carteira, opte por mochilas, bolsas tipo carteiro ou pastas de mão. 

Topo