Moda

Especialistas em pés cansados, aeromoças indicam os melhores sapatos para viajar

Virgin Atlantic/The New York Times
Aeromoça da Virgin Atlantic usa sapato vermelho de salto grosso combinando com o uniforme imagem: Virgin Atlantic/The New York Times

Do The New York Times

Sapatos desconfortáveis podem destruir não só os seus pés, eles podem destruir suas férias. Tente andar por Versalhes com uma bolha no calcanhar ou subir a Escadaria Espanhola, em Roma, com uma sandália cuja tira pega no dedinho. Cinderelas à parte, não há sapato perfeito. Mas se tem alguém que sabe qual sapato vai cuidar bem do seu pé e ainda te dar um visual bacana para dar um passeio à noite na cidade, esse alguém é a comissária de bordo.

“Ficamos em pé 13 horas por dia, às vezes seis dias por semana”, diz Grace A. Brown, uma comissária na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, que trabalhou para uma companhia aérea norte-americana por mais de quatro anos. 

Quem melhor para dar conselhos sobre sapatos? Comissárias escolhem seus sapatos com base em uma série de fatores, incluindo orçamentos individuais, problemas nos pés e regras da companhia aérea. Por exemplo, as comissárias de bordo da Virgin Atlantic recebem sapatos vermelhos de salto chamados de Dorothy. A versão com salto mais baixo chama-se Dotty. Mas a maioria das comissárias de bordo nos Estados Unidos podem comprar o que gostam, desde que sigam certas normas. 

Normalmente, isso resulta no rodízio da tripulação entre dois pares de sapatos: um par de visual moderno para ser usado no terminal do aeroporto, onde estar com o sapato limpo e com jeito de recém-engraxado é uma exigência do trabalho, e um sapato mais confortável, usado durante o serviço na aeronave.

Afinal de contas, como vários comissários de voo e blogueiros enfatizaram, salto alto e turbulência não são uma combinação vencedora. E pisar no freio do carrinho de bebidas a todo momento pode arranhar, e até mesmo rasgar, o bico dos seus sapatos. O que segue são alguns de seus sapatos e marcas favoritos, ideias que você pode roubar para seus próprios pés cansados.

“Você procura algo confortável por dentro, mas que, ao mesmo tempo, não pareça muito informal por fora, algo que é muito difícil”, disse Bobby Laurie, um comissário de bordo baseado em Los Angeles há quase sete anos e que mantém um blog sobre a vida nos céus, chamado “Up, Up and a Gay”, além de escrever no site Savvy Stews.  

As escolhas dele? Um sapato de couro chamado Men’s Work: Exalt (US$65, cerca de R$ 135), da Skechers, que tem um revestimento de tecido macio, uma palmilha almofadada removível e uma meia sola que absorve impacto; e o sapato de couro Pro Five Star Ashford Lace-Up, da Timberland (US$110, cerca de R$ 228), que foi criado pensando nos profissionais de restaurantes e da rede hoteleira, e que possui "tecnologia anti-fadiga", desenvolvida para proteger e amortecer impactos nos pés. 

Além de gostar da estrutura robusta desses sapatos, Laurie disse que ficou encantado por eles não dispararem os detectores de metal (ele disse que essa é uma informação que vem na própria caixa). Ser um comissário de bordo significa que não precisar tirar o sapato quando se passa pela segurança, ele disse, desde que a máquina não apite.

Isso é útil, e não só para comissários. É útil para passageiros inscritos em programas que possibilitam aos viajantes frequentes a passar pela segurança sem retirar os sapatos, desde que eles não disparem o detector.

Se um par de sapatos o machuca, Laurie tem um novo modo de aliviar a dor, mesmo a 10 mil metros de altitude: ele gruda absorventes íntimos dentro dos sapatos. “Toda aeronave tem”, ele disse. “O sapato fica mais confortável enquanto ainda não estiver amaciado.”

Uma marca popular entre comissários de bordo é também a favorita de muitos chefs e médicos, que também ficam em pé durante várias horas: Dansko, conhecido por seus tamancos (entre US$80 e US$150, cerca de R$ 166 a R$ 311). Para alguns comissários, com esses sapatos eles se sentem no paraíso durante o voo, pois fazem com que não só acabem as dores no pé como também com eventuais dores nas costas.

“Eles são muito confortáveis”, diz Sara Keagle, que é comissária de bordo há 20 anos e vive em Houston, de onde escreve um blog chamado “The Flying Pinto”. Ela disse que também gosta de usar, durante os voos, as sapatilhas de ballet Sam & Libby.
Algumas comissárias, entretanto, dizem que os sapatos Dansko não têm estilo. “Não consigo usá-los”, disse Grace, que assina na rede social Twitter como @GracingTheSkies . “Levei dois anos para encontrar o sapato perfeito”.

Sua escolha foi a marca Nurture (entre US$30 e US$90, ou R$ 62 e R$ 186, à venda na Dillard’s), que, para ela, produz sapatos com estilo, além de serem confortáveis. “A vendedora tinha sido comissária e me falou: ‘você vai ter vontade de calçar esses sapatos’”, conta Grace.

A vendedora também recomendou as marcas Aerosoles e Naturalizer, embora Grace prefira os sapatos da Rockport (sapatos sociais vão de US$100 a US$150, cerca de R$ 207 a R$ 311) e da Clarks (sapatos sociais variam entre US$85 e US$140, cerca de R$ 176 a R$ 290). Ela sempre carrega um par de sapatilhas e aconselha os passageiros a fazer o mesmo. Para aqueles que querem viajar com o mínimo possível, ela sugere os “fast flats” do Dr. Scholl, que podem ser enrolados e guardados em uma bolsa de mão.

Evite os peep toes, ela avisou (pois podem raspar ou apertar), e quando estiver voando, não use sandálias. “Você nem imagina quanta gente reclama que está morrendo de frio”, disse.

Heather Pole, que vive em Los Angeles e foi comissária de bordo por mais de 15 anos, reconheceu que muitas comissárias mulheres calçam os tamancos Dansko no avião, mas os descreve como “horrorosos”. Seu sapato favorito para voar? As sapatilhas Kelly & Katie, com o interior acolchoado (US$ 29,95, cerca de R$ 62), da Design Show Warehouse. Nos terminais, ela calça sapatos da Aerosoles.
“Recebo muitos elogios por causa deles”, disse, por email, enquanto esperava decolar o voo atrasado de Nova York para San Diego.

Como suas colegas, Heather, que é blogueira e escreve sobre sua vida no hpoole.wordpress.com, aconselha os passageiros a calçar sapatos confortáveis, porque nunca se sabe quando você vai ter que correr no aeroporto para pegar seu voo ou sair de um avião caso haja uma emergência. É por isso também que ela não aconselha o uso de chinelos de dedo.

A sua solução para pés cansados? Assim que chega em casa, ela usa um massageador aquecido para pés, da HoMedics.
Patti Broughton, que vive em Los Angeles e é comissária há quase 13 anos, optou por sapatos de salto de Franco Sarto, como o modelo Cicero, de bico redondo (US$ 89 na Macys.com, cerca de R$ 184) ou o Tanya Shooties, com salto grosso (US$ 79 na Macys.com, ou R$ 163). Ela usa os dois modelos nos terminais.

“Eles são muito estilosos e, ainda assim, confortáveis”, diz Patti, que afirmou usar sempre saltos de, no mínimo, 7 cm.
“As meninas no trabalho me perguntam muito sobre isso”, disse ela, a respeito da busca incessante por sapatos bons para voar. “Eu indico direto essa marca. Conheço meninas que foram atrás e compraram exatamente o mesmo modelo.”

Quando Patti, que em seu tempo livre trabalha no site de viagens e séries online “Savvy Stews”, não está entre as nuvens, ela cuida de seus pés fazendo exercícios e revezando seus sapatos. Rolar uma bolinha de tênis sob a planta do pé pode lhe trazer uma ótima sensação. E como Heather, ela recomenda massagens para os pés. “Eu tenho um massagista”, ela disse. “E ele mora comigo.”

Tradutor: Erika Brandão

Topo