Moda

Casaquetos tranformam o visual e vestem bem em todas as idades

Divulgação/Montagem UOL
Criada por Coco Chanel, a peça logo virou o carro-chefe da grife imagem: Divulgação/Montagem UOL

Marina Oliveira e Thaís Macena

do UOL, São Paulo

Eles são tão versáteis quanto o blazer e deixam qualquer visual mais arrojado e feminino. O casaqueto foi criado por Coco Chanel e logo se tornou a peça ícone da marca, mas de lá pra cá se reinventou, sem perder suas características originais. "O casaqueto é mais curto, com um comprimento que fica um pouco abaixo da linha da cintura. A modelagem é bem estruturada, com mangas compridas ou três quartos", define a consultora de imagem Adriana Branco. "É uma peça romântica que torna qualquer produção elegante, mesmo tendo uma modelagem básica", completa a personal stylist Valquíria Silva. 

O modelo clássico é o de tweed, mas também há opções de tricô, tricoline, cetim e outros tecidos mais leves e adequados ao clima brasileiro. Casaquetos lisos de cores vivas, com estampas xadrez, listrada ou de bicho, são boas opções. Os destaques da estação, no entanto, são os estampados, brilhantes e metalizados. 
 
Na hora de escolher o seu, o único cuidado a se levar em conta são as peças já existentes no guarda-roupa. "Quem tem muita roupa colorida pode escolher modelos de tons mais neutros, para ficar mais fácil de coordenar. Agora, se já predominam as roupas básicas e de cores sóbrias, a dica é ousar no casaqueto sem medo, para dar mais vida às combinações", ensina Adriana. 
 
 
Super democrático
Desde que observados alguns cuidados, quase todas as mulheres podem vestir essa peça clássica. As altas e magras não enfrentam qualquer restrição. Já para as baixinhas, há uma recomendação básica: combinar os casaquetos com peças de cores semelhantes, em cima e embaixo para evitar o efeito achatado. "Usá-lo aberto, mostrando o que está por baixo, também ajuda a alongar a silhueta", ensina a estilista Patrícia Vergara. A mesma dica vale para quem usa manequim plus size. Só mesmo quem tem o formato de corpo conhecido como triângulo invertido, com ombros mais largos do que o quadril, é que deve evitar a peça. "Neste caso, a modelagem do casaqueto vai evidenciar ainda mais o tamanho dos ombros", alerta Valquíria. 
 
No que diz respeito à idade, o casaqueto também é bastante democrático. "As mais maduras ficam muito bem quando combinam a peça com uma bermuda bem cortada e uma camisa de alfaiataria", opina Patricia. As mais jovens podem usá-lo com um vestido acima do joelho, ou uma saia de babado com camiseta estilosa. 
 
A peça ainda tem a vantagem extra de servir como um coringa na hora de se produzir para as mais diferentes ocasiões. "Quando usado com saia lápis, o look fica extremamente formal e é ideal para quem trabalha em locais tradicionais ou quer parecer mais madura", diz Adriana. Se a situação estiver mais para informal, a saída é combinar o casaqueto com shorts, vestidos, calças jeans, leggings ou mesmo uma calça mais larga. 
 
Outra recomendação é evitar combinar os casaquetos com peças muito soltinhas, para evitar a falsa impressão de um manequim maior. "O ideal é usá-los com outras peças mais ajustadas", acrescenta Adriana. Pelo mesmo motivo, é fundamental acertar o comprimento das mangas que, quando muito longas, escondem as mãos. "Acima de tudo, é preciso cuidado para não deixar que a sua aparência passe uma mensagem de desleixo", alerta a consultora de imagem.
Topo