Moda

A moda dos anos 1990 voltou; saiba como usar

Divulgação
Enquanto algumas peças são releituras adaptadas ao estilo contemporâneo, outras são um verdadeiro túnel do tempo aos anos 1990 em forma de roupas imagem: Divulgação

Caroline Pereira

Do UOL, em São Paulo

Para os que viveram os anos 1990 ou são fãs da década chegou a hora de matar a saudade dos ícones da moda que preencheram os guarda-roupas do período. Grandes grifes e redes de fast fashion têm buscado inspiração no estilo popular daquela época, preenchendo suas araras com macacões, conjuntinhos, estampas, jaquetas e muitas cores. Enquanto algumas peças são releituras adaptadas ao estilo contemporâneo, outras são um verdadeiro túnel do tempo em forma de roupas.

“A moda passa por um ciclo a cada 20 anos, aproximadamente. Por isso, vemos muitas tendências dos anos 1990 que estão voltando para as passarelas e para as ruas”, explica a stylist Ana Wainer. Entre os ícones marcantes que já podem ser vistos com toda força em coleções atuais está o grunge, estilo musical que saiu de Seattle e presenteou o mundo com muita camisa xadrez, usada por vezes amarradas na cintura, como se fazia na época de Kurt Cobain. Além do estilo rock’n’roll, são revisitados os figurinos do filme  “Patricinhas de Beverly Hills”, das séries “Um Maluco no Pedaço” e "Minha Vida de Cão", e também da personagem Elaine (Julia Louis-Dreyfus), de "Seinfeld".

Sobreposições de peças, cintura alta usadas com tops cropped (mais curtos), a dupla jeans com jeans, além dos sapatos com sandálias plataforma, tênis brancos ou mais extravagantes com cano alto estilo Air Jordan, coturnos à la Dr. Martens, camisetas gráficas e moletons também compõe a mistura do que está voltando. “O interesse pela moda de rua estava em alta, como o streetwear e a discussão sobre diversidade influenciava as criações também. Ao mesmo tempo, deixava para trás o exagero dos anos 1980”, acrescenta o estilista Mario Queiroz.

Alexander Wang, Prada, Ellus e Calvin Klein estão entre as muitas marcas que apostaram na inspiração anos 1990 para coleções atuais seja caracterizando completamente as peças ou apostando nestas releituras mais modernas. “É difícil pensar numa marca que não se inspirou nos anos 1990”, completa Ana.

Como usar

Embora a inspiração seja da época, vinte anos se passarem e, por isso, é preciso cuidado para não sair por aí vestido como o convidado de uma festa "flashback". Muitas peças já vêm com um olhar contemporâneo sobre os ícones na década, nesse caso a incorporação do estilo é muito mais simples e orgânica. Para as mais características vale a mistura apostando em apenas uma peça marcante combinada a um look mais simples como uma jaqueta colorida junto a calça jeans, camiseta e sapatos básicos. O mesmo vale para outras peças como calças, saias, camisetas, tênis e sandálias. As opções oferecidas são diversas, isso permite que o look vá ficando mais ousado aos poucos de acordo com o seu estilo.

A década no Brasil

Enquanto as ruas viviam a intensa convivência de cores e estampas, os bastidores da moda brasileira iniciava sua intensa transformação. A profissionalização de estilistas e organização de grandes eventos impulsionaram o cenário para a cara que se vê atualmente. “O grande 'boom' da moda brasileira aconteceu realmente nos anos 90. A moda deixou de ser apenas assunto de coluna social e se juntou à cultura jovem - como a música eletrônica, as drag queens”, lembra Mario Queiroz.

Eventos como o Phytoervas Fashion e Mercado Mundo Mix foram as sementes que ajudaram a gerar o evento que hoje conhecemos como São Paulo Fashion Week. Criado em 1996, na época com nome de Morumbi Fashion, o SPFW reunia em um só evento os principais nomes da moda brasileira. “A SPFW sempre foi organizada, colocou a moda brasileira como pauta da grande mídia, trouxe jornalistas de fora e incentivou a profissionalização dos designers”, completa Queiroz.

O trabalho de organização dos estilistas passou a ser ocupado, em grande parte, com o planejamento desses grandes desfiles com o desenvolvimento de coleções e busca de patrocinadores. O evento também serviu como uma vitrine para levar aos olhos do mundo o trabalho de diversos criadores brasileiros como Alexandre Herchcovitch, Gloria Coelho, Victor Dzenk e Ronaldo Fraga.

Perseguir novos caminhos, experimentar e pesquisar. Essas eram as diretrizes do estilista Jum Nakao para a época. “Não havia um modelo de negócio para novos designers”, lembra.

Quase vinte anos depois, o cenário se transformou profundamente, hoje é possível ver a consolidação de grandes nomes nacionais com excelência na produção e desenvolvimento de novas tecnologias. Questionamentos também aparecem acerca do futuro da moda no Brasil, como o incentivo a pesquisas e à indústria têxtil nacional. “Sem fecundação não há mais nascimento de ideias”, completa Nakao.
 

Topo