Moda

Hora H ouviu as dúvidas masculinas e ensina: comece pelo básico

Ricardo Oliveros

Do UOL, em São Paulo

A coluna Hora H foi para as ruas escutar o que os homens pensam sobre a moda, quem são os caras que eles julgam mais bem vestidos e quais as peças do guarda-roupa que fazem a diferença.

É interessante notar que muitas vezes há uma confusão entre beleza e estilo. A coluna desta semana mostra como construir seu estilo e quais as peças que você precisa ter, quando e como usar.

“Moda é oferta, estilo é escolha” é a frase cunhada pela consultora de moda Gloria Kalil, para explicar a diferença entre estar na moda e ter estilo. Na década de 1990, a moda passou por uma transformação radical. O estilo não era mais ditado pelas marcas, mas pelo que as pessoas estavam usando nas ruas. O historiador inglês Ted Polhemus denominou este fato como “supermercado de estilos”, ou seja, você poderia escolher seu próprio estilo, como se escolhesse uma lata de sopa numa prateleira de supermercado.

A questão central é que, com tantas ofertas, os homens se sentem perdidos na hora de fazer suas escolhas. Uma das soluções para resolver esta equação é a volta para o básico e o clássico, a partir de suas necessidades.

1. Atenção ao seu físico

De que adianta uma calça “skinny” (bem justa ao corpo) estar na moda se suas pernas são grossas? Este é um exemplo de que mais importante do que usar uma peça que está em evidência, é entender seu tipo físico e saber valorizá-lo. Nem todo mundo é alto e magro, como artistas e modelos, mas isso não quer dizer que os outros biotipos estão condenados à cafonice.

Os magros precisam de roupas que deem mais volume, como as listras horizontais; os baixos, ao contrário, devem usar peças que alonguem a silhueta como as listras verticais; e os gordos necessitam tirar o foco da barriga e procurar roupas que afinem o conjunto.

2. Crie suas referências e seu sistema de informações

Homens famosos como atores, jogadores de futebol e cantores, que foram citados nas entrevistas, fazem parte das nossas referências para entender como combinar as peças, observar as roupas que estão na moda, o que fica bem de acordo com os diferentes tipos físicos e profissões, todavia devemos ter cuidado com estas referências. Beleza, bom tipo físico e fama são ingredientes ótimos, mas isso não corresponde necessariamente com a elegância. 

Podemos definir elegância como uma relação harmônica e proporcional das roupas, da linguagem e do comportamento. O estilo, que tem a ver com as nossas escolhas, como disse Gloria Kalil, é algo que vem de dentro e não apenas com dinheiro e marcas famosas, mas com coisas com as quais nos identificamos, nos identificam e nos diferenciam dos outros. Lembre-se de que as roupas passam, e o estilo permanece.

Para criar um estilo, é preciso, além de se conhecer profundamente, saber quais as necessidades profissionais e pessoais, qual nossa realidade econômica, e fazer com que as escolhas estejam em sintonia com quem você é.

Hoje, com tantas ofertas e possibilidades para compor estilos diferentes, a informação, seja em livros, revistas ou blogs de moda, pode ajudá-lo a criar um sistema de informações confiáveis que sirvam para sinalizar seu caminho.

3. Entenda os códigos dos ambientes que frequenta

Seja no trabalho, na escola, numa festa ou na academia, os lugares pelos que transitamos têm códigos específicos de conduta e vestuário, mesmo que isso não esteja escrito em nenhum lugar. Neste caso, temos o formal, casual e informal, que são traduzidos pelas nossas roupas.

Ambientes ou eventos formais requerem terno ou costume (calça e paletó), camisas sociais, gravatas e sapato de couro. Nos horários diurnos, são permitidas as cores claras, mas à noite prefira os tons mais fechados como preto, cinza e azul-marinho.

Ambientes ou eventos casuais têm uma variedade ampla de escolhas. Nos elegantes, o blazer é a peça-chave, enquanto que nos locais em que precisa estar bem vestido, uma boa camisa e calça resolvem. A calça jeans reta e escura também é uma opção interessante.

Em ambientes e eventos informais, as camisas polo ou camisetas com calça jeans, e um bom par de tênis, resolvem bem. Só não vale usar os de academia ou esportivos.

4. Comece pelos básicos para montar um guarda-roupa de sucesso

Nas entrevistas para o UOL, os homens elegeram as peças fundamentais que fazem diferença no guarda-roupa. Cada um, ao seu modo, representa uma determinada “tribo” urbana com suas necessidades. Ou seja, o homem mais clássico elege o terno, o jovem que se preocupa em ter roupas mais arrumadas cita o blazer, o outro pensa na versatilidade da camisa, e o prático opta pelo jeans como uma roupa fundamental.

Seja qual for o seu estilo, um conjunto de peças básicas e em cores sólidas e neutras é o primeiro passo para começar a pensar no seu estilo e, a partir delas, ver se é necessário introduzir novas peças e cores para começar a se diferenciar dos demais.

Topo