Moda

É importante saber escolher tecidos e ler as etiquetas das roupas

Divulgação
Os símbolos presentes nas etiquetas trazem informações sobre a origem da peça e os cuidados que se deve ter com ela imagem: Divulgação

Ricardo Oliveros

Do UOL, em São Paulo

De uma forma geral, quando vamos adquirir uma roupa, só vemos a numeração na etiqueta, deixando de observar uma série de informações importantes que vão fazer diferença na conservação das peças. É bom começar a se familiarizar com algumas questões técnicas que vão além das cores e estampas da moda.

Na etiqueta da roupa, você acessa as informações sobre a origem da peça e os cuidados que deve ter com ela. Os itens obrigatórios que devem constar ali são: Razão social ou marca do fabricante ou importador; CNPJ respectivo do fabricante ou importador; país de origem; composição do tecido; tamanho da peça; cuidados de conservação expressos em símbolos e/ou textos.

Uma das informações mais importantes nas etiquetas foi definida pela norma ABNT NBR NM ISO 3758:2013 da Associação Brasileira de Normas Técnicas.  “Esta norma estabelece um sistema de símbolos gráficos, destinado a ser utilizado na etiquetagem de artigos têxteis, e para o fornecimento de informações sobre os tratamentos severos para que não provoquem danos irreversíveis para o artigo durante o processo de tratamento têxtil, e especifica o uso destes símbolos em etiquetagem de cuidados”.

Os códigos são internacionais e fornecem as especificidades de cuidados por meio de símbolos apresentados na seguinte ordem: lavagem, alvejamento, secagem, passadoria e cuidados profissionais têxteis, como lavanderias.

De maneira simples e visual, na etiqueta podemos saber se a roupa deve ser lavada à mão, máquina ou a seco, se permite o uso de alvejantes, se deve ser seca no varal, à sombra e qual a temperatura ideal do ferro de passar, por exemplo. Isso é importante para garantir a qualidade e a conservação da peça por mais tempo. Na ausência destas informações, devemos desconfiar da procedência da roupa.

Conheça os tecidos ideais para dias quentes

Com os avanços tecnológicos da indústria têxtil, é difícil reconhecer um tecido apenas pelo toque, então devemos ler na etiqueta informações sobre a composição das fibras que constituem a roupa. Para os dias quentes, as escolhas merecem cuidados redobrados. Neste sentido, temos dois grandes grupos: os tecidos naturais e os sintéticos, sendo os mais avançados, desenvolvidos para a prática esportiva.

Para quem precisa usar terno e gravata todo dia, entre as opções temos as lãs frias e o linho. Os ternos de lã fria possuem várias classificações de acordo com a espessura do seu fio: Super 100, Super 120, Super 130 e Super 180, com a característica principal de serem isolantes térmicos, o que permite que sejam utilizados em qualquer época do ano. Quanto maior o número, menor a espessura da lã e mais caro o preço.

O linho é uma escolha complicada, porque é uma fibra natural que amassa com facilidade. Se você é do tipo que quer se manter arrumado o dia todo, esta não deve ser a sua escolha. Mas saiba que no amarrotado é que reside o charme da peça. Se não precisar usar gravata, pense num blazer neste tecido.

Além do linho, as camisas sociais, casuais e camisetas têm no algodão seu tecido ideal. As melhores são 100% algodão, porque detém melhor capacidade de absorção de umidade, e é adequado para o clima brasileiro, quente e úmido. A transpiração do corpo é mais bem absorvida.

Entre os tipos especiais encontrados no mercado temos o algodão egípcio, considerado como o de fibra mais longa do mundo, resultando em um tecido durável e mais macio do que os outros encontrados no mercado internacional. O Pima, também de fibra longa, e encontrado só no Peru. Há também a classificação por fios, assim como a lã dos ternos: fio 50, fio 80, fio 120, e quanto maior o número, mais fino o fio. A questão é que só a titulagem não garante a qualidade do tecido, porque muitas vezes há mistura de diferentes fios. Passe a mão na camisa, experimente e veja se o tecido tem toque macio sem nenhuma aspereza.

Para as calças, especialmente as casuais, temos a sarja de algodão, tecido confortável, que proporciona movimento e não absorve muito calor, mas o que define se ela é boa para usar no verão é a gramatura. Quanto mais leve a sarja, mais confortável você estará.

Entre os tecidos sintéticos, o mais utilizado é o poliéster, em especial os que têm a preocupação com a performance esportiva, dotados de um sistema tecnológico em que a construção do tecido é projetada para a absorção do suor do corpo. São microfibras de última geração que facilitam o transporte do suor para o exterior do tecido, acelerando sua secagem, mantendo o corpo seco e a temperatura estável.

Lembre-se que as regras da física valem também para as cores das roupas: as claras refletem a luz do sol, portanto, vão causar menos sensação de calor, assim como as escuras retém mais luz, por conseguinte, poderá haver um aumento na temperatura do corpo.

Topo