Moda

No MAM, Herchcovitch mostra jeans que promete combater a celulite

Alexandre Schneider/UOL
Nesse Inverno 2014, a Herchcovitch investiu no jeans que promete reduzir celulite, como este da calça usada pela modelo Drielly Oliveira. A inspiração medieval apareceu nos reforços em joelhos e cotovelos e na proposta masculina de calça e vestido, como este com fenda. A cartela de cores optou pelor tons mais escuros imagem: Alexandre Schneider/UOL

Fernanda Schimidt

Do UOL, no Rio

O estilista Alexandre Herchcovitch investiu na tecnologia na coleção Inverno 2014 de sua segunda marca, a Herchcovitch, que abriu a programação do Fashion Rio desta sexta-feira (8), em desfile no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

A principal novidade ficou por conta dos jeans que prometem combater a celulite. A tecnologia, chamada de Emana, está no fio e era, até então, usada apenas no mercado fitness. A ideia é que o tecido absorva o calor do corpo e o transforme em infravermelhos longos, que voltam para o corpo. Além de manter a temperatura de quem usa as peças e aumentar a circulação, promete melhorar a aparência da pele e reduzir a celulite.

O efeito, no entanto, é a longo prazo.  É necessário usar o jeans por pelo menos seis horas diárias e durante 30 dias para começar a notar diferenças na celulite. E um adendo: a peça tem de estar bem justa ao corpo.

A tecnologia foi desenvolvida pela Rhodia e aplicada ao jeans Canatiba, em um investimento de pesquisa e desenvolvimento que custou cerca de US$ 7 milhões. Lançado em feira de Nova York, o jeans foi apresentado ao público geral com o desfile nesta manhã.

Para dar a cara medieval da coleção Inverno 2014 da Herchcovitch, o estilista reforçou cotovelos e joelhos das calças e macacões com recortes que remetiam a armaduras.

A cartela de cores da temporada trabalhou as lavagens escuras do jeans e os tons de cinza nas demais propostas -- entrou também a versão mais fitness da Emana, em peças justas como calças, camisetas e bodies. A ala feminina recebeu ainda opções de looks coloridos em tons lavados e no amarelo mais intenso. Destaque para o xadrez em peças mais pesadas e o chiffon liso em sugestões mais vaporosas.

Nem Rhodia ou Canatiba falam de quanto é o aumento no custo da produção que recebe o Emana. Ambas citam o valor agregado que as criações recebem de quem está por trás do design de moda. Seria esta a variante responsável pelo preço final da peça, afirmaram as empresas.

 

Topo