Moda

Moda carioca conquista o Brasil ao vender o que a mulher quer usar

Divulgação
Formas amplas e estampas fortes estão entre as características marcantes da moda carioca, que faz sucesso em todo o país imagem: Divulgação

Caroline Pereira

Do UOL, em São Paulo

“O Rio de Janeiro vive uma antropofagia comportamental”, começa Robert Guimarães, um dos idealizadores do evento Rio Moda Hype, para explicar o que define como ‘borogodó’ carioca. Ele se refere ao termo modernista que significa absorver as influências e misturá-las com sua própria personalidade. Um dos destinos turísticos mais famosos do mundo, a “Cidade Maravilhosa” reúne milhares de visitantes que deixam um pouco de suas referências nas areias, e são posteriormente incorporadas ao cotidiano de seus moradores num turbilhão de estilos.

Com isso, e somando-se uma irreverência característica, formam um estilo de vida leve e com personalidade, desejado por pessoas de outras regiões e países. A moda reflete esse movimento por meio de estampas coloridas e modelagens que caem bem no corpo da brasileira. O diretor de conteúdo da Luminosidade (empresa responsável por SPFW e Fashion Rio), Augusto Mariotti, defende a bandeira do estilo ‘carioquês’ e o define como: “roupas leves, capazes de traduzir este clima carioca, uma excelente mistura entre o urbano e a moda praia”.

Para Guimarães, as marcas observam as tendências e acertam naquilo que as mulheres querem usar. “Não estou dizendo que aqui se faz uma moda comercial, mas uma moda real. Os bons estilistas sabem buscar referências fora e são muito criativos, mas fazem roupas para a consumidora, não só pensando no seu próprio umbigo”, afirma.

O diálogo bem sucedido entre orla e cidade faz com que marcas como a Farm, Osklen e Animale conquistem também o coração de habitantes de cidades como São Paulo, suposto polo de ritmo oposto ao Rio. “A moda carioca ampliou sua presença no território nacional e ganhou projeção no exterior com abertura de lojas próprias e venda em multimarcas”, diz Mariotti.

Os grandes eventos esportivos que aterrissam no Brasil nos próximos anos são uma potente vitrine que pode ser aproveitada também pela moda. Mariotti ainda diz que, os estilistas que absorverem essa cultura podem se beneficiar muito desse momento, em que os olhares nacionais e internacionais estarão voltados para o Rio de Janeiro. “As marcas que souberem ver a cultura brasileira, trabalhar as características da cultura nacional - cores, estampas, sensualidade - e traduzir tudo isso em moda vão ganhar mais destaque”, aposta.

Topo