Moda

Marcas populares focam nas tendências para ir além do preço baixo

Reinaldo Canato/UOL
Entre as tendências apresentadas nos desfiles do Mega Polo Moda, estão o xadrez, o couro e o jeans imagem: Reinaldo Canato/UOL

Do UOL, em São Paulo

O preço acessível é o principal atrativo para quem percorre as ruas do Brás, bairro conhecido pelas lojas populares e onde está localizado o shopping atacadista Mega Polo Moda, que apresentou nesta semana cerca de 1.400 looks para a próxima estação com presença de famosos na passarela. Mas não é só de pechincha que vive a região.

“As confecções estudam as tendências, contam com birôs para consultoria, tem gente que viaja 12 vezes ao ano em busca de novidades”, explica Juliana Gama, gestora de marketing do shopping Mega Polo Moda. A região que possui mais de cinco mil lojas e faturamento anual de R$ 12 bilhões.

O consultor de moda Arlindo Grund afirma que a variedade vai além das tendências e que o Brás oferece moda para todos os tipos de pessoa. “Muitas lojas têm numeração ou modelagens diferenciadas, maiores, por exemplo, que se adaptam ao biótipo de muito mais gente”, diz.

As novidades são produzidas e colocadas à venda rapidamente, característica que atrai milhares de compradores do país inteiro. Iria Dullius, lojista há 35 anos, concorda: "Eu vou à Nova York, por exemplo, sei o que tem lá e é o mesmo que tem aqui. A agilidade é impressionante, praticamente tudo ao mesmo tempo, Estados Unidos, Europa, todos os lugares". As lojas trabalham com estoque menor para possibilitar esse giro de opções. “Toda vez que venho aqui as vitrines já mudaram”, conta a lojista Cleusa Peres Ribeiro.

A estrutura das confecções também se modernizou nas últimas décadas com investimento em equipamentos de ponta, segundo Juliana. "A qualidade é ótima, não é preciso procurar muito para encontrar peças boas", dizem as lojistas Mariana Machado Chabregas Rubim e Juliana Machado Chabregas.

A disseminação da informação de moda entre os consumidores refletiu em mais pesquisa por parte das marcas populares. Para Grund, o período econômico mais estável e o acesso à internet são dois fatores que promoveram o contato do brasileiro com marcas internacionais e mais informações. “As pessoas passaram a conhecer outras coisas, aí foi a vez das confecções nacionais melhorarem a qualidade”, completa.

Tendências

Nas passarelas, o destaque para os meses mais frios do ano ficou por conta do xadrez, couro, tricô e jeans. Estampas animais e florais continuam depois do verão entre as padronagens da temporada, mas ganham cores sóbrias e escuras, como marrom e azul marinho.

Confeccionado em diferentes técnicas, o couro recebeu detalhes vazados, costuras aparentes e envernizados com estamparia e cores. O tricô é clássico da estação. As peças trouxeram referências de períodos históricos como o neobarroco e bizantino, por meio de aplicações, bordados, detalhes em dourado e pedrarias. O jeans apareceu em lavagens intensas e estampas em alto relevo, além de texturas como lixadas, acetinadas e emborrachadas.

O consultor Arlindo Grund destaca a mistura de peças mais caras como outras mais baratas. “O ‘high low’ é uma ótima maneira de aproveitar o Brás”, afirma

Topo