Vídeos

Sapato mule está de volta; veja dicas para incluí-lo em suas produções

Danielle Cerati

Do UOL, em São Paulo

Embora algumas torçam o nariz para as mules, calçados que deixam o calcanhar de fora e fazem e aquele "clap clap" peculiar ao caminhar, o modelo é apontado como tendência para o verão 2015. Grifes como Miu Miu, Stella McCartney e Louis Vuitton já subiram nesse salto. Muito usado nos anos 90, o sapato volta à cena com nova roupagem e design atualizados.

Apesar da consagração das mules no cenário da moda ter acontecido no final do século passado, foi na França do século 16 que a primeira versão delas se fez notar. Era uma espécie de chinelo marroquino, que ganhou popularidade e foi adotado por homens e mulheres. “Os primeiros preferiam aqueles sem salto, enquanto elas optavam por um pequeno saltinho”, conta Dany Farah, consultora de moda e estilo do Club Capelli, membro da Association of Image Consultants International, nos Estados Unidos. Com o passar do tempo, entre as décadas de 40 e 50, ficou conhecido como “sapato de quarto”, aquele que pin-ups e celebridades usavam à noite para acrescentar um toque de sensualidade ao look. Nos anos 70,  passou a ser referência do estilo dos revolucionários hippies e, duas décadas mais tarde, chegou aos pés das fashionistas.

Parente próxima dos tamancos e dos clogs, a mule se reinventa nesta temporada e retoma seu posto de destaque com um leque maior de opções, em diferentes estilos e materiais, mas, claro, sem abrir mão de sua essência: deixar os calcanhares à mostra.

O que mudou
Se antes o forte eram as versões com salto e bico fino, no momento o calçado aparece com aberturas na frente, no estilo peep toe; semelhantes a sandálias, com uma tira larga no peito do pé, dando maior segurança e firmeza ao andar; o salto também ganha update, aparecendo ora fino, ora tipo cone ou anabela.

Quem pode usar
É um modelo de sapato que pode ser usado por todos os biótipos: altas, baixas, magras ou plus sizes. É o que afirma Eduardo Iscaro, produtor de moda e fotografia do site Passarela.com. No entanto, antes de investir no modelo, uma dica: “Quanto mais próximo ao tom da pele o calçado for, melhor. Assim, ele ajuda a dar a impressão de uma silhueta mais alongada”, recomenda Eduardo.

Quem tem pernas grossas pode optar pelo salto grosso, que contribui para o equilíbrio das proporções e evita que as canelas pareçam mais fartas. Mas seja qual for seu "shape", uma ressalva que vale para todas as mulheres, sem distinção: como o pé fica bastante em evidência, cabe cuidar que estejam bem tratados, com a pele hidratada e as unhas em dia.

Como combinar?
Mesmo dividindo opiniões, a mule cai bem com calças, shorts, saias e vestidos. “Fica ótimo com comprimentos midi ou longo --neste último caso, desde que a barra não entre dentro do sapato”, alerta Dany. Outra proposta de estilo é combiná-la com calças em todas as suas versões de modelagem e comprimentos, do legging à pantalona; mas é inegável que este calçado forma uma dupla infalível com as mais afuniladas, sequinhas ou cropped, já que evidenciam a grande protagonista da produção. “O mesmo princípio se aplica à saia, do clássico modelo lápis à tendência trompete. Os vestidos, estampados ou lisos também podem fazer uma bela parceria”, indica Amalia Píffero, consultora de moda. Por fim, para não errar, nada de ficar arrastando sua mule como se ela fosse um chinelo. Caminhe como se estivesse com um scarpin, no melhor estilo e sem perder a pose.

Topo