Moda

Brechó em São Paulo aposta em roupas grifadas que pertenceram a famosas

Ricky Hiraoka

Do UOL, em São Paulo

Já pensou em adquirir uma bota que a atriz Bárbara Paz ganhou de presente da apresentadora Hebe Camargo? O calçado da grife italiana Sergio Rossi está à venda por R$ 510 no Borogodó do Brechó, loja que acaba de abrir na Rua Fradique Coutinho, na Vila Madalena, em São Paulo.

Além de Bárbara, que também disponibilizou uma jaqueta de couro Miss Sixty por R$ 420, personalidades como a apresentadora Laura Wie, a atriz Chris Couto e as jornalistas Paloma Tocci e Renata Maranhão venderam peças que já não usavam mais --entre elas uma saia Gucci, que custa R$ 320, e um sapato Louboutin, que sai por R$ 810. “Há outras famosas com quem negociei, mas que não permitem que eu divulgue os nomes”, explica Erika Nigro, proprietária do local.

Erika Nigro
A stylist Erika Nigro, dona do Borogodó do Brechó imagem: Erika Nigro
O espaço está recheado de peças que um dia figuraram no closet de celebridades graças ao networking da dona, que atuou durante anos no mercado publicitário. Dos 15 aos 28 anos, ela estrelou filmes para marcas de beleza, higiene e cerveja. “Tinha um corpão, dentes lindos e cabelo ótimo numa época que não havia Photoshop”, afirma. “Quando achei que minha cara estava batida no vídeo, fiz curso de história da moda e de produção de moda e fui trabalhar nos bastidores.”

Nessa época, ela ficou amiga de atrizes e apresentadoras nos sets de filmagem, onde trabalhou por cerca de oito anos. A rotina estressante de produção de moda somada a fatores genéticos fizeram Erika sofrer dois AVCs aos 36 anos num intervalo de tempo de seis meses. Após recuperar a fala e parte dos movimentos do corpo (Erika tem dificuldade em mexer a parte direita), ela decidiu fazer um curso de tingimento de tecido e passou a customizar peças e vender para amigas, que a incentivaram a abrir uma loja. Erika optou por um brechó por não conseguir produzir sozinha em larga escala.

Quando espalhou a notícia em seu círculo social, as pessoas começaram a despachar malas e mais malas para a casa da produtora de moda. “Verifico tudo o que recebo para ver se está em bom estado, se é de marca boa e compro à vista lotes com mais de 25 itens. Só adquiro em menor quantidade quando as famosas desejam se desfazer de algo, pois sei que ter roupa delas será um chamariz para clientes”, explica. “Essa semana mesmo devem chegar três vestidos que Laura Wie não quer mais.” A única restrição de Erika são roupas masculinas. “Quero que a mulherada se sinta à vontade e ande pelada por aqui.”

O Borogodó do Brechó possui um acervo de 2000 itens de grifes como Dior, Prada, Versace e Stella McCartney. Tudo está dividido em cinco salas e só roupas da atual estação são expostas. O local também conta com um pequeno bar, onde são servidos café, cerveja e espumante, e, em breve, haverá serviço de manicures. 

Erika Nigro
A stylist Erika Nigro, dona do Borogodó do Brechó imagem: Erika Nigro
Topo