Moda

"Montada, eu rendo um caldo", diz Fernanda Lima sobre seus figurinos na TV

Divulgação/TV Globo
Fernanda Lima usou macacão super decotado no programa desta semana imagem: Divulgação/TV Globo

Virna Wulkan

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Fantasias elaboradas, acessórios marcantes, plumas e paetês compõem o figurino do “Amor & Sexo”, mas quem brilha mesmo é Fernanda Lima, aos 38 anos. O programa da Globo, que iniciou nova temporada no final de janeiro, parece trazer roupas ainda mais luxuosas e ousadas, como o macacão superdecotado feito de renda francesa e cristais, que rendeu comentários na internet no último sábado (5). “Se o programa é o mesmo, a gente tem que procurar sempre se reinventar, pensar em algo que prenda mais a atenção, sem ser vulgar”, explica a apresentadora para o UOL.

Engana-se quem pensa que as vestimentas são meras coadjuvantes. “A gente começa pelo figurino: meu, dos bailarinos e do Zentai, assistente de palco que anda de patins. As produções precisam conversar com tudo, já que o ‘Amor e Sexo’ é temático e lúdico”, conta Fernanda, que não esconde seu gosto pela moda, e ressalta: “É uma parte que a gente capricha muito”.

Personagens de histórias em quadrinhos, Carmen Miranda, cabarés e até o estilo country já foram referências para os looks, que têm em sua equipe de criação profissionais com formação carnavalesca. Recentemente o estilista Dudu Bertholini (que com a grife Neon já desfilou em várias edições da São Paulo Fashion Week) reforçou o time, e com tamanho sucesso que acabou virando um dos jurados do programa. “Ele nos traz inspirações e ajuda a dar unidade para o figurino de todos os personagens”, elogia Fernanda.

Rodrigo Zorzi/Divulgação
Fernanda Lima no evento da John John em fevereiro, em SP imagem: Rodrigo Zorzi/Divulgação
E essas fantasias que ela veste têm o intuito de mexer com o fetiche masculino? “Não precisa ser nada muito elaborado para despertar a imaginação dos homens, né? Basta ser sexy. Penso mais nas mulheres porque elas gostam de sofisticação e não gostam de se sentir ameaçadas. Então sempre peço que as roupas cubram pelo menos a polpinha da bunda. Usar um fio dental, por exemplo, seria uma provocação desnecessária”, explica a apresentadora.

O mesmo princípio de não expor muito o corpo ela segue também quando se veste para eventos e campanhas, sempre com a ajuda de seu stylist Rodrigo Grunfeld. “Gosto de roupas clássicas, com pegada sexy, enquanto eu possa mostrar o que me valoriza. Mas sigo uma regra básica: quando tem curto, não tem decote, e vice-versa. Essa é a medida”, afirma.

Descolada, relax e pé no chão
Mas se na televisão ela incorpora essa mulher majestosa e irresistível, na vida real Fernanda se mostra bem mais despojada. “Repito muito as minhas roupas e passo a semana toda com uma bermuda de algodão, só troco a camiseta. Como me locomovo de bicicleta no Rio, estou sempre esportiva. Gosto de usar peças fáceis e práticas, até porque sou mãe”, comenta. “E adoro trapos! Eu mesma corto minhas calças, camisetas, jaquetas, e faço isso na louca mesmo, sem muito cuidado. Tesoura é item essencial no meu guarda-roupa.”

E desdenha de quem anda sempre desfilando peças grifadas. “Acho boba essa coisa de exibir bolsa de marca. Usar aquele modelo da moda, que é o sonho de consumo de todas, não me diz nada”, afirma. “Tenho muitas roupas bonitas no meu guarda-roupa e sempre penso que poderia ter me arrumado mais, mas eu teria que nascer de novo para ser de outro jeito. Não entendo como as pessoas conseguem estar chique e fazer todas as tarefas do dia a dia. Gostaria de ser diferente, pois às vezes as pessoas me vêm e acho que ficam meio decepcionadas”, diz ela, que normalmente deixa o cabelo bagunçadinho e não usa maquiagem.

“Já estou nesse meio há bastante tempo e passo até três horas sentada em uma cadeira, sendo arrumada. Ali tem um produto, uma imagem que se constrói para eu ficar lindona e as pessoas me verem na TV. Eu acho que sirvo bem para isso, até por ter essa neutralidade, e porque quando estou produzida e maquiada, eu cresço. Nunca fui a mais bonita da escola nem chamava a atenção, era uma menina normal. Mas depois de montada, eu rendo um caldo... [risos]”.

Topo