Moda

10 dicas de estilo que podem facilitar a vida de uma aspirante a drag queen

Arquivo Pessoal/UOL
A drag queen Sarah Vika, 24, fala que um dos primeiros passos é descobrir suas proporções imagem: Arquivo Pessoal/UOL

Natália Eiras

Do UOL, em São Paulo

Ser drag queen não é só colocar um vestido bafo e subir no saltão. A arte de se montar também inclui processo criativo, descobrir o que seu corpo pode fazer e aguentar dor, muita dor. O UOL perguntou para artistas performáticas quais são as dicas mais importantes que uma aspirante tem que ter em mente antes de seguir os passos de RuPaul e Silvetty Montilla. 

Arquivo Pessoal/UOL
Kitty Kawakubo, 20, conta que o travesseiro "da Nasa" ajuda a criar glúteos e coxas imagem: Arquivo Pessoal/UOL
1- Conheça o seu corpo
Antes de colocar um vestido de paetê ou fazer o make, é importante você entender o que seu corpo pode fazer. "É legal treinar bastante na frente do espelho", fala Dudx Babaloo, 26, de Campo Grande (MS). Da ala das plus size, ela conta que, antes de se conhecer, tentava projetar o estilo de drags queens mais magras e não aproveitava todo o potencial de suas formas em suas performances. "Mas comecei a entender os meus ângulos e ver o meu corpo avantajado como algo positivo".

2- Desenhe o que você quer vestir
O processo criativo de uma performance drag inclui criar o make, o figurino e a apresentação. E as referências podem ser quase ilimitadas. O melhor jeito de organizar tudo na sua cabeça e na sua mesa de trabalho é desenhar o projeto. "Isso ajuda muito a visualizar o que você pretende fazer", fala Dudx.

3- Preste a atenção nas proporções
Se o seu objetivo é criar a ilusão do corpo feminino, as proporções são, então, um ponto crucial para se ficar atento. "Criar uma cintura pode ser mais vantajoso do que desenhar seios", explica Sarah Vika, 24, de Porto Alegre (RS). Acessórios e peças de roupas fluidas, mas com cintura marcada, são algumas das maneiras de criar as curvas de uma mulher. "Os magros usam espuma para criar quadril, coxa e glúteos. Os meninos plus size conseguem curvas incríveis apenas marcando a cintura", fala a artista.

4- Confie no "Travesseiro da Nasa"
Os enchimentos usados para criar a ilusão de quadril e glúteos não costumam vir prontos. Então, para fazê-los, as drags precisam "esculpir" o formato do corpo com espuma de colchão. "Dá para comprar no Brás ou tirar de dentro daqueles travesseiros 'da Nasa'. Depois é só cortar com tesoura ou faca elétrica", explica Kitty Kawakubo, 20, de São Paulo (SP). O material também serve para fazer os seios. "Coloco dentro de um sutiã tamanho G. Adoro uma teta bem grande", complementa Lohren Beauty, 34, de Boa Esperança (MG).

5- Meia-calça para que te quero
Para deixar tudo no lugar, inclusive os enchimentos, as drags lançam mão de meia-calça para dar aquela segurada. E são muitas: de acordo com Sarah, são mais ou menos 3 ou 4 pares por "montação". "A gente usa o modelo de ballet, porque ela segura mais, porém têm uma cor mais ‘morta’. Por cima, usamos uma normal para 'aquecer' o tom das pernas", fala. O truque também ajuda a disfarçar os pelos dos meninos que preferem não depilar as pernas.

Arquivo Pessoal
Dudx Babaloo, 26, melhorou sua performance ao entender seu corpo na frente do espelho imagem: Arquivo Pessoal

6- Opte por sapatos de tamanhos grandes
Este é, segundo Kitty, o acessório mais difícil de um aspirante a drag encontrar. "Conseguir um sapato que tenha design, conforto e seja no seu número é quase impossível, mas tem algumas lojas especializadas como Victor Viccenza e Au Botier", diz. Ainda assim, algumas artistas ainda preferem se arriscar em sapatos inadequados. "Confesso que ainda prefiro usar os modelos mais bafos mesmo que machuquem meu pé por ser um ou dois números menor!", ri a performer.

7- Vista-se de acordo com a ocasião
Uma drag queen pode ser contratada para diversos tipos de trabalho: para ser DJ, fazer uma performance de dublagem ou dança. Por isso, ela precisa prestar atenção em que tipo de look usar em cada ocasião. "Se você vai ficar por uma hora parada em uma cabine de DJ, não dá para escolher um arranjo de cabeça que esconda suas orelhas ou um sapato desconfortável. Se vai para um evento em que vai dançar bastante, é melhor usar uma peruca que não embole tanto e prendê-la direitinho", fala Kitty Kawakubo. 

Arquivo Pessoal/UOL
Lohren Beauty, 34, foi professora na Escola Jovem LGBT de Campinas (SP) imagem: Arquivo Pessoal/UOL
8- Reaprenda a andar
Quando um rapaz passa a vida toda passando bem longe de uma saia curta, aprender a usá-la sem “pagar calcinha” pode ser um desafio. Ex-professora da Escola Jovem LGBT de Campinas (SP), Lohren Beauty diz que o segredo está na postura. "Tem que estar sempre reta e andar com passos curtos, sem movimentos bruscos", afirma a artista. A dica também vale para conseguir se equilibrar em cima dos saltos de 20 cm.

9- "Aquendar" não é insuportável
Para a genitália masculina não marcar as roupas femininas, algumas drags "aquendam", o termo da comunidade LGBT para o ato de esconder o órgão sexual. Fita adesiva, modeladores e cuecas bem justas ajudam neste momento. "É desconfortável, mas nada insuportável", fala Sarah.

10- Acostume-se com a dor
Kitty diz que a dor é uma das grandes companheiras de uma drag queen. "Dói muito a cabeça, as orelhas, os pés, a barriga, as partes íntimas!", fala. Como os meninos precisam usar acessórios desconfortáveis como espatilhos e grampos para segurar a peruca, é inevitável o corpo ficar dolorido. "É um esporte de luta, praticamente [risos]". 

Topo