Moda

Marca de lingerie faz homens usarem pesos para sentirem como é ter seios

Do UOL, em São Paulo

Muito homem acha que seios grandes são apenas uma dádiva para as mulheres e para os olhos masculinos. Porém, quem usa sutiãs de tamanhos maiores sabe como é conviver com questões como dores nas costas e desconforto caso não haja uma boa sustentação. Por isso, a marca de lingeries belga Primadonna, especializada em lingeries para seios grandes, decidiu fazer seus empregados homens usarem pesos para eles sentirem na pele o que suas consumidoras passam no dia a dia. 

Durante um expediente inteiro, os funcionários da fábrica carregaram dois pesos, cada um de 1,5kg, em apoios que os colocavam na altura das mamas para simular os seios. Enquanto as mulheres que trabalhavam no local davam risada da situação incomum, os rapazes logo começaram a sentir os efeitos do peso extra: dores nas costas e marcas vermelhas deixadas pelas correias do suporte. 

A ação foi um jeito de fazer marketing para a marca e também aproximar os empregados das consumidoras da fábrica. De acordo com o diretor da Primadonna, Ignace Van Doorselaere, eles decidiram colocar a iniciativa em prática após ele receber várias perguntas sobre como ele poderia entender seu público sendo um homem. "A gente tem um arsenal de técnicas de propaganda, mas só há uma maneira de um homem entender como é ter seios grandes e é tendo seios grandes", diz o profissional em vídeo promocional. 

"As pessoas dizem que deve ser muito divertido trabalhar em um lugar cercado por fotos de mulheres semi-nuas, mas homens não pensam realmente quais são os efeitos de ter seios grandes", comenta Doorselaere na filmagem. "Eles costumam gostar de olhar para elas, mas esta não é a essência de uma companhia de lingerie. Homens só veem os benefícios, mas seios podem pesar de 1kg a 1,5kg por mama. Isto é muito. Dói o pescoço, as costas". 

O vídeo também exalta a importância de sutiãs com boa sustentação para o conforto da mulher durante o dia. "E agora todo mundo da Primadonna sabe disso", conclui o diretor. 

 

Topo