! "Comilões" se transformam em celebridade no Japão - 06/01/2009 - UOL Estilo de vida

Últimas de Estilo de vida

"Comilões" se transformam em celebridade no Japão

Ewerthon Tobace

De Tóquio para a BBC Brasil

Natsuko "Gal" Sone tem 23 anos, mede 1,62m e pesa 45 kg. Simpática, ela é figura constante em programas da tevê japonesa e é idolatrada, especialmente, por jovens estudantes.

BBC

BBC

Takeru "Tsunami" Kobayashi, 30 anos, ficou conhecido após vencer por seis anos consecutivos o torneio de comilança de cachorros-quentes



O que ela faz? Apenas come muito. Em uma hora ela consegue ingerir até 9 kg de comida.

A devoradora ganhou fama nacional quando apareceu, em 2005, num concurso organizado pela TV Tokyo, chamado o Rei dos Glutões ou Oogui, em japonês.

Na primeira semana de janeiro deste ano, a emissora apresentou uma versão feminina do concurso, chamada de A Rainha das Glutonas.

Mas foi mesmo o carisma da jovem "Gal" Sone que também fez ressurgir na tevê japonesa este tipo de competição, muito popular no final da década de 90.

Em 2002, os torneios haviam sido suspensos depois da morte de um jovem estudante, que quis imitar os glutões da tevê. Após um hiato de três anos, o popular programa voltou e trouxe junto novas celebridades, como a esguia "Gal" Sone.

A popularidade da jovem é tanta, que em 2007 ela gravou um CD ao lado de outras duas celebridades da tevê japonesa.

Profissional
Outro que faz sucesso no Japão por comer muito é Takeru "Tsunami" Kobayashi, 30 anos, 1,73m e 75 kg. O jovem ficou conhecido no país após vencer por seis anos consecutivos (de 2001 a 2006) o famoso torneio de comilança de cachorros-quentes da rede Nathan's, de Coney Island, em Nova York.

O recorde do rapaz até agora são 59 unidades de cachorro-quente em 12 minutos, marca alcançada neste último torneio, em 2008, quando ficou em segundo lugar na decisão final.

O recorde da competição é de Joey Chestnut, que ganhou os dois últimos torneios. Em 2007 ele tirou a coroa de Kobayashi ao comer nada menos do que 63 cachorros-quentes em 12 minutos.

Kobayashi descobriu que tinha habilidade para comer muito quando estava na faculdade. "Já cheguei a comer 12 kg de comida em 45 minutos", conta o rapaz à BBC Brasil. Ele se diz ainda apaixonado pelo nosso famoso churrasco e espera conhecer mais sobre a culinária brasileira.

Outros dois nomes bastante populares entre os glutões japoneses são Nobuyuki "Giant" Shirota e Takuya Yamamoto, os atuais campeão e vice do torneio promovido pela TV Tokyo.

Técnica apurada
Quem vê os competidores japoneses não acredita que eles possam ingerir tanta comida. Ao contrário da maioria dos glutões "profissionais" famosos norte-americanos, por exemplo, os nipônicos são magros. O segredo para caber tanta comida está na técnica de "expandir" o estômago.

Kobayashi, por exemplo, "alarga" o estômago comendo grandes quantidades de alimentos, dos mais diversos tipos. Há outros que preferem os líquidos. Nas competições, o jovem campeão ainda força a comida a se acomodar de forma mais compacta no fundo do estômago.

"É preciso ter muita habilidade", diz o rapaz, que leva a atividade a sério, como uma profissão e é membro da Federação Internacional de Comilança Competitiva (http://www.ifoce.com/home.php), entidade que promove torneios nos Estados Unidos.

Fenômeno cultural
Mas por que esses programas de tevê fazem tanto sucesso no Japão? "É uma questão cultural", explica o professor de mídia e cultura Shigehiko Shiramizu, do departamento de Estudos de Mídia Global da Universidade Komazawa, em Tóquio.

Segundo o acadêmico, desde a antiguidade a comida e a vestimenta sempre foram as duas principais referências de status na sociedade japonesa.

"Somente os nobres tinham acesso aos melhores produtos e o desejo da população comum sempre foi poder um dia experimentar aquelas comidas", fala.

Daí, por exemplo, a existência de boutiques de frutas e de grifes de carnes no Japão nos dias de hoje.

Além do lado cultural, Shiramizu também ressalta a questão técnica da produção destes programas.

"Eles são muito baratos de se produzir, pois não precisam de pessoas famosas e nem de muitos dias para a gravação. Além disso, a comida geralmente é fornecida em troca de publicidade", conta.

Os índices de audiência são altos, o que torna estas produções lucrativas. É também a popularidade destes programas que acaba transformando os competidores em celebridade no Japão.

"Qualquer um que tiver muito talento e habilidade para comer bastante pode virar uma estrela nacional, porque é um esporte muito difícil comparado com outros", justifica Kobayashi, o devorador de cachorros-quentes.
Topo