Últimas de Estilo de vida

Espanha lança guia gastronômico para imigrantes

Anelise Infante

De Madri para a BBC Brasil

O Ministério da Saúde da Espanha lançou um guia dirigido a imigrantes em que sugere alternativas como grão de bico e maçãs a brasileiros que sentem falta de feijão e frutas tropicais.

Divulgação

Divulgação

Com uma série de receitas e tabelas, o livro visa ajudar os estrangeiros que sentem saudades das comidas de seus países


O objetivo do livro, chamado "Uma alimentação sã para todos", é, segundo o ministério, "servir de instrumento de luta contra a desigualdade, já que os imigrantes tem em geral menos recursos econômicos e um acesso menor a informação".

Com uma série de receitas e tabelas, o livro visa ajudar os estrangeiros que sentem saudades das comidas de seus países a encontrar substitutos entre os produtos locais para re-equilibrar sua alimentação.

Ele é dirigido às maiores comunidades de imigrantes no país: latino-americanos, marroquinos, europeus do leste, africanos subsaarianos, chineses, hindus e paquistaneses.

Maçã e maçã
O guia, que também pode ser baixado gratuitamente pela internet, inclui receitas e tabelas em que compara valores nutricionais de alimentos típicos de outros países com produtos encontrados facilmente na Espanha.

Segundo essas tabelas, um prato de feijão preto vale o mesmo que um de grão-de-bico. Quem não tem maracujá, pode ir de maçã.

Já os marroquinos que sofrem com a distância de seus frutos secos típicos do deserto também podem trocar três tâmaras por uma maçã espanhola.

Para os brasileiros as recomendações são trocar praticamente qualquer fruta tropical por maçãs. Na tabela de correspondências uma maçã espanhola tem as mesmas propriedades de meio mamão, um maracujá, uma manga ou uma goiaba.

Já a batata europeia vale um terço de uma mandioca brasileira. Além do feijão preto que equivale a um prato de grão de bico. E o arroz branco passa a ser trocado por talharim.O guia terá 50 mil cópias e será distribuído a partir de abril nos consulados, ONGs de ajuda a imigrantes e departamentos municipais de informação.

Em nota à imprensa o presidente da Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição (AESAN), Roberto Sabrido afirmou que o livro "contribuirá para a integração dos recém-chegados à sociedade espanhola através da alimentação".

"A AESAN quer mostrar aos distintos coletivos que vivem no nosso país que é possível seguir uma alimentação saudável, equilibrada e variada com conhecimento das características nutricionais dos alimentos locais".

O guia gastronômico também faz recomendações sobre exercícios físicos, hábitos de higiene e combate à obesidade. O livro, que terá 50 mil cópias, será distribuído em consulados, agências do governo e órgãos de atendimento ao consumidor.
Topo