Últimas de Estilo de vida

Morre o 'pai' da ioga ashtanga, aos 93 anos

Uma das principais figuras do mundo da ioga, Krishna Pattabhi Jois, morreu nesta quarta-feira (20) aos 93 anos.

Jois, nascido na Índia, é amplamente considerado o fundador do moderno estilo de ioga conhecido como ashtanga e o tornou popular no Ocidente.

Entre os milhares de alunos de Jois estão artistas pop como Sting e Madonna e a atriz Gwyneth Paltrow.

A ioga Ashtanga é baseada no controle da respiração através de uma série progressiva de posturas.

Esta é a forma mais rigorosa de ioga e seus adeptos dizem que ela pode ter efeitos positivos sobre mente e corpo.

A teoria é que ela produz um intenso calor interno que purifica os músculos e órgãos, expelindo toxinas e liberando hormônios e minerais benéficos que podem nutrir o corpo quando o suor é reabsorvido pela pele.

Mas muitos integrantes da classe médica tradicional não estão convencidos das supostas qualidades terapêuticas da prática.

Instituto de pesquisa
Jois teve seu primeiro contato com a ioga em 1927, quando ainda era menino, e passou a se dedicar a ela, estudando a prática com o guru Krishnamacharya, que reavivou a ioga em meados do século 20.

Ele desenvolveu e refinou a ioga Ashtanga, depois de traduzir textos antigos sobre a técnica e acabou criando o Instituto de Pesquisa Ashtanga Ioga em Lakshmipuram, no Estado indiano de Tamil Nadu.

Em 1964, o belga Andre Van Lysebeth passou dois meses como aluno de Jois e escreveu um livro em que mencionava seu nome e endereço.

Com isso, muitos ocidentais passaram a viajar para a Índia para estudar com Jois, que se transferiu para Mysore.

Em 1975 ele visitou a Califórnia, levando a um aumento da popularidade da ashtanga ioga entre americanos.

Jois viajou pelo mundo até os 90 anos, conquistando um grande número de seguidores fiéis.

"A ashtanga ioga está ajudando muitas pessoas em todo o mundo a equilibrar pressões mentais, físicas e espirituais apresentadas pelo mundo moderno", disse ele.
Topo