Comportamento

Vítima encontra assaltante em programa contra estresse pós-traumático

Vítimas de ataques criminosos na Grã-Bretanha estão sendo incentivadas a participar de um programa da polícia no qual reencontram seus agressores, em uma iniciativa que aliviaria os efeitos do estresse pós-traumático.

  • BBC

    Vítima foi amarrada com fita adesiva; seu filho de 9 anos foi ameaçado com uma faca


Estatísticas apontam que participantes de programas de "justiça restauradora" apresentam uma redução de até 40% nos sintomas do estresse pós-traumático, na comparação com as outras vítimas.

Uma das participantes foi a britânica Clare Topcu, moradora de Bolton (noroeste da Inglaterra). Em 2009, ladrões invadiram a sua casa enquanto ela e seu filho de 9 anos dormiam.

"Um homem chegou ao lado da cama, pulou sobre mim e começou a me socar. Depois eu devo ter levado um golpe que me nocauteou", disse Clare ao programa de TV Panorama, da BBC.

"Quando acordei, ele começou a passar uma fita adesiva em mim como se eu fosse uma múmia, do peito até o rosto."
Clare afirma que seu filho foi amarrado contra o guarda-roupa. Segundo ela, um ladrão o ameaçava com uma faca, dizendo: "vou matar o seu garoto".

Os bandidos fugiram quando o marido de Clare chegou em casa. Apenas um suspeito foi detido: declarando-se culpado, ele foi sentenciado a seis anos de prisão. O ladrão eventualmente foi deportado de volta para a Romênia, seu país natal.

  • BBC

    Clare Topcu diz que, no início, teve vontade de matar seu agressor

Reencontro

Antes disso, ele concordou em encontrar-se com Clare, em uma reunião de "justiça restauradora".
"De verdade, eu queria matá-lo. Não importava onde eu estava, ou que sentença eu teria de pagar, eu queria ir lá e somente machucá-lo como ele machucou o meu filho", afirmou a vítima à BBC.

O resultado da reunião, segundo Clare, foi surpreendente para ela própria. A sensação inicial de raiva e vingança desapareceu depois de algum tempo.

"Quanto mais tempo que eu ficava ali sentada, e quanto mais eu olhava para ele, eu via que ele não era ninguém e não merecia aquilo", disse. "Só de sentar naquela sala, e ser ouvida, me fez me sentir 100% melhor."

Clare acha que a reunião foi decisiva até mesmo para o ladrão, já que, dias depois, ele identificou outros membros de seu grupo. No entanto, eles ainda não foram levados à justiça.

Topo